Clique e assine a partir de 9,90/mês

Sanders afirma que irá votar em Hillary para presidente dos EUA

Apesar de não desistir oficialmente da corrida eleitoral, Sanders disse que irá "fazer de tudo para derrotar Donald Trump", o que envolve votar em sua adversária democrata

Por Da Redação - 24 jun 2016, 16h27

Com uma única palavra, o pré-candidato democrata Bernie Sanders admitiu nesta sexta-feira que votará em sua adversária Hillary Clinton na eleição presidencial dos Estados Unidos, em novembro. “Sim”, respondeu ao canal de TV MSNBC, quando questionado se votaria na ex-secretária de Estado, que o derrotou nas primárias e será nomeada como a candidata oficial na convenção do partido em julho, na Filadélfia.

Mesmo aceitando virtualmente a derrota, Sanders deixou claro que não irá abandonar sua campanha por uma “revolução política” e, por enquanto, continuará com seus compromissos oficiais na corrida. “Por que eu faria isso?”, afirmou, horas antes de um novo comício em Syracuse, Nova York. De acordo com o senador, sua escolha na urna ainda não significa apoio à candidata, apenas uma opção viável para derrotar o candidato republicano. “Eu acredito que o que importa agora é que vou fazer de tudo para vencer Donald Trump”, explicou Sanders, reiterando suas críticas ao magnata.

Leia também:

Magnata, Trump tem campanha mais pobre que Hillary

Continua após a publicidade

Hillary vence última primária e se reúne com Sanders em busca de unidade

Hillary aposta em popularidade de Obama para alavancar campanha

Mais tarde, em entrevista à rede CBS, Bernie afirmou que ainda não declarou apoio oficial à Hillary “porque não a ouvi dizer as coisas que acho que precisam ser ditas”. Com posicionamento político muito mais à esquerda do que sua rival, Sanders disse que está negociando com a equipe de Clinton para obter “o melhor programa de governo possível” para o partido. “Quero ter certeza de que os democratas vão representar as pessoas que trabalham e não Wall Street”, insistiu o senador socialista, que costuma fazer fortes críticas ao mercado financeiro.

(Com AFP)

Publicidade