Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rússia: nível de radiação aumentou 16 vezes após explosão em base

Explosão matou cinco cientistas e picos de radiação impuseram situação de alerta para os moradores de Severodvinsk

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h41 - Publicado em 13 ago 2019, 12h40

Os níveis de radiação na cidade de Severodvinsk, norte da Rússia, aumentaram entre 4 e 16 vezes após explosão durante o teste de míssil de cruzeiro, informou nesta terça-feira, 13, o Serviço Meteorológico da Rússia. Até o momento, foram confirmadas a morte de cinco cientistas que trabalhavam no lugar da explosão.

“Às 12h de Moscou (6h, em Brasília) de 8 de agosto de 2019 em seis de oito pontos de Severodvinsk foi registrado um aumento da dose de radiação gama de entre 4 e 16 vezes, em comparação com o nível habitual para este território”, afirma o comunicado oficial.

A Rosatom, empresa estatal russa de energia atômica, disse que a explosão ocorreu enquanto os engenheiros realizavam o teste de uma “fonte de energia de isótopo radioativo”.

Embora os detalhes do acidente e o tipo da arma tenham sido mantidos em segredo, a imprensa suspeita que tratava-se de um míssil de cruzeiro Burevestnik (Albatroz), dotado de propulsão nuclear.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou este míssil, da mesma forma que outras armas do novo arsenal estratégico do país, durante seu discurso sobre o estado da nação em março de 2018. No dia da explosão, as autoridades de Severodvinsk admitiram um aumento da radiação na zona, mas reiteraram que ela foi temporária.

Segundo uma nota da Câmara Municipal, duas horas depois de registro de tal aumento, o nível da radiação era de “0,11 microsievert por hora com um máximo permitido de 0,60 microsievert”. A organização ambientalista Greenpeace pediu às autoridades russas que investiguem o aumento da radiação e indicou que, após a explosão, esta foi “20 vezes maiores do que a normal”.

Apesar do pico de radiação, que fez com que moradores buscassem por iodo nas farmácias, não há perigo para a saúde. Segundo a  Organização Mundial da Saúde (OMS), o risco de câncer pode aumentar a partir dos 50.000 microsieverts recebidos, e o Instituto de Radioproteção e Segurança Nuclear (IRSN) francês recomenda aos moradores que busquem abrigo a partir de 10.000 microsieverts.

(Com EFE e AFP)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)