Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Reino Unido não foi cuidadoso com a vacina, diz Anthony Fauci

Infectologista da Casa Branca disse que os britânicos foram apressados em aprovar o imunizante da Pfizer e a alemã BioNTech

Por Da Redação Atualizado em 3 dez 2020, 17h38 - Publicado em 3 dez 2020, 16h39

Principal infectologista dos Estados Unidos, o Dr. Anthony Fauci criticou nesta quinta-feira, 3, a decisão do Reino Unido de aprovar a vacina contra a Covid-19 produzida pela americana Pfizer e a alemã BioNTech e preparar a imunização da população já na próxima semana. 

“O Reino Unido não fez isso de forma cuidadosa”, criticou Fauci durante uma entrevista à emissora americana Fox News. “Se você for rápido demais, as pessoas não vão querer ser vacinadas”, afirmou o especialista, que é o médico chefe da força-tarefa da Casa Branca no combate à Covid-19.

“A maneira que a FDA (agência reguladora dos Estados Unidos) está fazendo é a correta”, disse. Fauci também afirmou que a FDA está analisando todos os dados possíveis sobre a vacina de “forma cuidadosa” para garantir ao “público americano que a vacina é segura e eficiente”.

A primeira reunião da agência reguladora nos Estados Unidos está marcada para ocorrer no dia 12 de dezembro. Não se sabe se as vacinas serão aprovadas, mas o governo já disse que, em caso de sinal verde, a imunização da população começa ainda em 2020. Ao mesmo tempo, porém, enquanto o país espera pelo imunizante, mais de 100.000 pessoas se encontram hospitalizadas por conta da Covid-19.

É a primeira vez desde o início da pandemia que os Estados Unidos superam o teto de 100.000 internações. Como mais afetado no mundo, o país registra mais de 273.000 óbitos, sendo que nas últimas 24 horas morreram 3.157 pacientes, segundo a Universidade Johns Hopkins.

‘Rígidos padrões de segurança’

O Reino Unido, por sua vez, se tornou o primeiro país a aprovar o uso em massa da vacina Pfizer/BioNTech que, segundo as autoridades britânicas, atende a “padrões rígidos de segurança, qualidade e eficácia” e estará disponível a partir da próxima semana no país mais atingido da Europa, com 60.000 mortes confirmadas por Covid-19.

“O governo aceitou hoje a recomendação da MHRA (a agência reguladora de medicamentos do país) de aprovar para uso a vacina contra a Covid-19 Pfizer/BioNTech. Isso acontece depois de meses de rigorosos testes clínicos e uma exaustiva análise sobre os dados, por parte de especialistas da MHRA “, informou o ministro da Saúde, Matt Hancock, por meio de comunicado.

De acordo com a nota assinada pelo ministro da Saúde, os pesquisadores da MHRA atestaram que a vacina “cumpre com rígidos padrões de segurança, qualidade e eficácia”.

O governo do primeiro-ministro Boris Johnson fez acordo para comprar 40 milhões de doses da vacina da Pfizer, que já devem começar a ser distribuídas na próxima semana entre a população.

Continua após a publicidade
Publicidade