Clique e assine a partir de 9,90/mês

Rebeldes estipulam prazo para civis deixarem Bani Walid

Subsecretário de estado americano para o Oriente Médio chega a Trípoli

Por Da Redação - 14 set 2011, 22h09

O novo governo líbio deu um prazo de 48 horas para os moradores de Bani Walid, um dos últimos redutos do ditador deposto Muamar Kadafi no país, deixarem a cidade antes de uma nova ofensiva. Os rebeldes estão concentrando suas forças ao redor de Bani Walid e de Sirte, cidade-natal do coronel.

Entenda o caso

  1. • A revolta teve início no dia 15 de fevereiro, quando 2.000 pessoas organizaram um protesto em Bengasi, cidade que viria a se tornar reduto da oposição.
  2. • No dia 27 de março, a Otan passa a controlar as operações no país, servindo de apoio às tropas insurgentes no confronto com as forças de segurança do ditador, que está no poder há 42 anos.
  3. • Após conquistar outras cidades estratégicas, de leste a oeste do país, os rebeldes conseguem tomar Trípoli, em 21 de agosto, e, dois dias depois, festejam a invasão ao quartel-general de Kadafi.
  4. • A caçada pelo coronel continua. Logo após ele divulgar uma mensagem em que diz que resistirá ‘até a vitória ou a morte’, os rebeldes ofereceram uma recompensa para quem o capturar – vivo ou morto.

Leia mais no Tema ‘Confrontos na Líbia’

As tropas do Conselho Nacional de Transição (CNT) tentam isolar Sirte controlando as cidades vizinhas para que estas não enviem suprimentos às forças pró-Kadafi. O mesmo acontece em Bani Walid, onde famílias que conseguiram escapar da cidade denunciaram que há falta de água e comida.

Continua após a publicidade

Diplomacia – Também nesta quarta-feira, o subsecretário de estado americano para o Oriente Médio, Jeffrey Feltman, chegou à capital Trípoli em uma visita surpresa. Feltman se reuniu com o presidente do CNT, Mustafa Abdel Jalil, e com o primeiro-ministro do órgão, Mahmoud Jibril. Na reunião, os três falaram sobre a soberania da Líbia, sobre o compromisso da Otan com o povo líbio e sobre a relação entre os dois países.

Declaração – Enquanto isso, o porta-voz do regime de Kadafi, Moussa Ibrahim, disse que centenas de soldados do CNT foram mortos em Sirte e outros 250 em Bani Walid. “Nós continuaremos a lutar até liberarmos todas as cidades”, disse ele, em uma entrevista por telefone concedida à televisão al-Rai.

Publicidade