Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Quem é a garota que vingou a morte dos pais, assassinados pelo Talibã

Com apenas 15 anos, adolescente usou um rifle AK 47 para matar integrantes do grupo terrorista que tentavam invadir sua casa

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 23 jul 2020, 12h34 - Publicado em 23 jul 2020, 12h14

Ela tem apenas 15 anos, mas já conhece a face da morte de perto. Qamar Gul e seu o irmão mais novo, Habibullah, mataram dois militantes do Talibã que assassinaram seus pais na província de Ghor, no Afeganistão. Eles atiraram com um rifle AK-47 quando sua casa foi atacada, informaram autoridades do país.

O pai das crianças, um líder tribal defensor do governo afegão, e sua esposa foram mortos pelo Talibã, no dia 16, no distrito de Tyora.

“Estávamos dormindo quando alguém bateu na porta. Minha mãe perguntou quem era. A pessoa respondeu ‘somos Mujahedin’. Minha mãe não abriu, mas eles chutaram a porta. Eles tiraram minha mãe e meu pai de casa e atiraram neles na frente de meus olhos. Peguei a arma do meu pai. Eu matei dois deles e machuquei um outro. com ajuda do meu irmão, brigamos com eles até que outras pessoas chegassem e os milicianos fugissem”, contou Qamar.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

Após o tiroteio,  garota e seu irmão foram acolhidos levados para a casa de parentes.

“Não tenho medo deles e estou pronta para lutar contra eles novamente”, disse Qamar. 

A região é marcada pela pobreza, pela violência contra as mulheres e pelo conflito entre o grupo terrorista e o governo. O Talibã tenta impor sua interpretação da lei islâmica ao Afeganistão e remover a influência estrangeira do país.

Continua após a publicidade

A imagem da jovem viralizou nas redes sociais e ela recebeu apoio de muitos internautas.

Qamar Gul comentou que seu pai a ensinou a disparar um fuzil AK-47.

“Tenho orgulho de ter matado os assassinos dos meus pais”, disse ela, mas lamentou não ter conseguido se despedir deles. “Depois de matar os dois talibãs, fui ver meus pais, mas eles não estavam respirando. Sinto-me triste, não consegui me despedir.”

  • A região é marcada pela pobreza, pela violência contra as mulheres e pelo conflito entre o grupo terrorista e o governo. O Talibã tenta impor sua interpretação da lei islâmica ao Afeganistão e remover a influência estrangeira do país.

    Continua após a publicidade

    Em 29 de fevereiro, os Estados Unidos e o Talibã assinaram um acordo que propõe a retirada total das tropas americanas do Afeganistão, de forma gradua.l No entanto, o grupo terrorista tem intensificado seus ataques aos aliados dos EUA. Mesmo assim, o Pentágono anunciou, no dia 14,  que irá retirar cinco bases americanas, reduzindo a presença no país.

    Quase 3.500 membros das forças da coalizão internacional morreram no Afeganistão desde a invasão de 2001.

    Segundo a ONU, mais de 32 mil civis perderam a vida na guerra, a mais longa da história dos Estados Unidos.

    (com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade