Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quase um terço da Muralha da China já desapareceu

Chuva, vento, vegetação e ação humana irresponsável estão deteriorando a Muralha

Por volta de 30% da Muralha da China já desapareceu por ação do tempo ou intervenção humana irresponsável – algumas pessoas inclusive roubam tijolos para construir suas casas -, aponta a imprensa local. A Muralha está tão degradada que as estimativas sobre sua extensão são bastante imprecisas, variam entre 9.000 e 21.000 quilômetros, já que algumas seções estão separadas por longos espaços vazios, onde antes ficavam partes da construção.

A Muralha começou a ser construída no século III a.C., mas aproximadamente 6.300 quilômetros foram erguidos durante a Dinastia Ming, entre 1368 e 1644. Desses, 1.962 quilômetros vieram abaixo com o passar dos séculos, aponta o jornal Beijing Times. Partes da estrutura ainda resistem, mas a infiltração e o crescimento de plantas nas paredes acelera sua degradação.

Leia também:

Ativista salva mais de 300 cães que seriam abatidos em festival na China

Ataque contra policiais deixa ao menos 18 mortos na China

Chuva faz parte da Muralha da China desabar

“Mesmo que partes da Muralha tenham sido construídas com tijolos e pedras, ela não consegue resistir à exposição perene ao vento e à chuva”, afirmou Dong Yaohuri, vice-presidente da Sociedade da Muralha da China ao Beijing Times. “Muitas torres estão se tornando cada vez mais instáveis e podem entrar em colapso após uma única tempestade de verão”.

O turismo e as atividades dos residentes locais também colaboram para a degradação da Muralha. Moradores do Condado de Lulong, a norte da província de Hebei, costumavam bater nos grossos tijolos cinzas da parede para despendê-los e construir suas casas. Placas gravadas com caracteres chineses também foram arrancadas e vendidas pelos moradores locais. De acordo com a regulamentação chinesa, pessoas que removerem os tijolos da Muralha podem ser multadas em até 2.500 reais, de acordo com o jornal estatal Global Times..

(Da redação)