Group 21 Copy 4 Created with Sketch.
Ao vivoAmarelas ao Vivo entrevista João Amoêdo, do Novo

Evento de VEJA também vai ouvir os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB), Alvaro Dias (Podemos), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB)

Quase um ano após crime, menina britânica é enterrada

April Jones, de 5 anos, foi morta depois de ser raptada quando brincava perto de casa, em outubro de 2012. Corpo nunca foi encontrado

A família de April Jones realizou nesta quinta-feira o funeral da menina de 5 anos brutalmente assassinada depois de ser sequestrada em outubro de 2012. Moradores da cidade de Machynlleth, no centro do País de Gales, acompanharam o funeral, muitos vestindo peças de roupa cor-de-rosa, a cor preferida da garota. O caixão branco foi levado até a igreja em uma carruagem puxada por dois cavalos enfeitados com uma plumagem rosa na cabeça.

Em maio deste ano, Mark Bridger foi condenado à prisão perpétua por sequestrar e matar April. Como o corpo da garota nunca foi encontrado pelas autoridades e o condenado negou os apelos dos familiares para que revelasse onde estava, os pais de April, Coral Joyce Jones e Paul, organizaram a cerimônia com fragmentos de ossos encontrados por investigadores na casa do assassino.

Colegas de escola da garota, policiais que investigaram o caso, funcionários que participaram da operação de busca ao corpo de April e conselheiros que deram suporte psicológico aos vizinhos reuniram-se para a cerimônia em homenagem à menina. Os pais de April pediram para no lugar de flores, as pessoas fizessem doações para um projeto da igreja que ajudará a financiar os estudos de uma menina de cinco anos de Uganda.

Histórico – April desapareceu quando brincava de bicicleta perto de casa, no dia 1º de outubro do ano passado. A operação de busca foi a maior deste tipo na história da polícia britânica, e até o premiê David Cameron fez um apelo à população para que ajudasse a encontrar a garota. Detido dias depois do desaparecimento, Bridger foi condenado no dia 30 de maio deste ano.

Ao anunciar a sentença, o juiz responsável pelo caso, Griffith Williams, descreveu o condenado como um “mentiroso patológico”, e disse que April conhecia o agressor e teria entrado em seu carro “sorridente e feliz”. “O que aconteceu em seguida não sabemos, mas isso é certo: você a sequestrou com uma motivação sexual e depois a matou e se livrou do corpo para esconder as provas do abuso sexual”.