Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Putin anuncia controle de Mariupol e promete cerco a militares ucranianos

Cerca de 2.000 militares ucranianos ainda permanecem entrincheirados na usina de Azovstal, bastião da resistência local

Por Da Redação Atualizado em 22 abr 2022, 00h18 - Publicado em 21 abr 2022, 09h00

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta quinta-feira, 21, que forças russas tomaram o controle “com sucesso” da cidade ucraniana de Mariupol, ordenando um cerco à usina de Azovstal, onde quase 2.000 militares ucranianos ainda permanecem entrincheirados.

“O fim do trabalho de libertação de Mariupol é um sucesso”, afirmou Putin ao ministro da Defesa, Serguei Shoigu, em um encontro televisionado. A cidade, que virou símbolo da destruição da guerra, era considerada o último obstáculo para a conclusão da “ponte terrestre” da Rússia para a Crimeia, anexada por Moscou em 2014.

Segundo o Ministério da Defesa russo, tropas russas já controlam toda a cidade ucraniana, exceto a usina. Segundo Putin, “o ataque à zona industrial não é apropriado”, já que “não há necessidade de entrar nessas catacumbas e rastejar no subsolo através das instalações industriais”. Dessa forma, ele pediu o bloqueio de “toda a área industrial para que nem mesmo uma mosca possa escapar”.

Após o anúncio do presidente russo, a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, exigiu que a Rússia permita um corredor humanitário imediato para que os civis sejam retirados da região. Segundo ela, 1.000 civis e 500 soldados feridos precisam ser retirados imediatamente.

De acordo com a agência de notícias russa RIA, na última terça-feira, 19, o Ministério da Defesa da Rússia propôs um cessar-fogo em Mariupol, com a condição de que os soldados ucranianos entregassem suas armas e se rendessem. O acordo, no entanto, não foi para a frente e avanços russos continuaram na região.

Em vídeo publicado nas redes sociais na quinta-feira, um comandante da Marinha ucraniana alertou que militares que lutavam em Mariupol já enfrentavam seus “últimos dias, talvez horas”. Em comunicado a uma rede de TV ucraniana, o prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, estimou que cerca de 100.000 civis permanecem na cidade e dezenas de milhares foram mortos.

Moscou está se aproximando do controle total da cidade ucraniana. Bombardeios e confrontos em solo deixaram grande parte da região pulverizada, matando pelo menos 21.000 pessoas, segundo estimativas ucranianas. A queda é vista por analistas como o avanço mais estratégico para a Rússia desde o início da invasão ao país vizinho, em 24 de fevereiro. 

Continua após a publicidade

Junto ao bloqueio, Putin também prometeu salvar a vida dos que se renderem, afirmando que “a todos aqueles que não entregaram as armas que o façam, o lado russo garante a vida e que serão tratados com dignidade”, disse.

Para Kiev, no entanto, a Rússia teria decidido bloquear a usina porque não conseguiria tomá-la à força.

Eles fisicamente não podem tomar Azovstal, eles entenderam isso, sofreram grandes perdas lá. Nossos defensores continuam firmes”, disse à imprensa Oleksiy Arestovych, assessor presidencial ucraniano. “Também pode ser explicado pelo fato de terem deslocado parte de suas forças (de Mariupol) para o norte, a fim de reforçar as tropas que tentam cumprir seu objetivo principal (…) avançar para os limites administrativos das regiões de Donetsk e Luhansk”.

As negociações de paz entre os dois países estão travadas desde que a Ucrânia acusou a Rússia de cometer crimes de guerra, incluindo o massacre de centenas de civis em Bucha. A Rússia revidou, tentando culpar os ucranianos pela falta de progresso nas negociações.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse que a Ucrânia transformou as negociações em um “circo” e acusou Kiev de mudar sua posição como uma “distração”.

A Ucrânia duvida que Putin realmente deseje um fim do conflito. Autoridades temem que ele tenha exigido ao seu exército uma vitória na região de Donbas a tempo do desfile anual do Dia da Vitória, na Praça Vermelha em 9 de maio, que comemora a rendição nazista na II Guerra Mundial.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)