Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Protestos em novas eleições no Quênia deixam duas pessoas mortas

O candidato de oposição Raila Odinga anunciou que não participaria do pleito e pediu boicote a seus eleitores

Protestos durante as novas eleições para eleger o presidente do Quênia nesta quinta-feira deixaram dezenas de feridos e pelo menos duas pessoas mortas em confrontos entre policiais e manifestantes favoráveis ao candidato de oposição Raila Odinga. A votação acontece cerca de dois meses após a Suprema Corte do Quênia invalidar a vitória do atual presidente, Uhuru Kenyatta, na disputa com Odinga em razão de irregularidades cometidas pelo órgão responsável pela eleição.

Na quarta-feira, na véspera da nova data agendada, Odinga anunciou que não participaria do pleito e pediu que seus eleitores boicotassem as eleições. O opositor alega que a comissão eleitoral não implementou as reformas previstas para que esta segunda votação pudesse transcorrer com credibilidade.

A comissão eleitoral declarou que os centros de votação funcionaram normalmente nesta quinta-feira em grande parte do país, mas que “desafios de segurança” obrigaram o pleito a ser atrasado em áreas como Homa Bay, Kisumu, Migori e Siaya, cidades conhecidas como bastiões da oposição. Nestas localidades, as eleições foram adiadas para sábado, dia 28.

Na cidade de Kisumu, no oeste do país, um homem levou um tiro e morreu no hospital, segundo informou a rede CNN. Outras quatro pessoas foram socorridas com ferimentos de armas de fogo. Nos distritos de Kibera e Mathare, dois dos principais redutos de Odinga na capital Nairóbi, barricadas foram armadas nas ruas e manifestantes atearam fogo em diversos pontos, o que levou a confrontos com policiais, que reagiram com tiros e bombas de gás lacrimogêneo. De acordo com as autoridades, foram reportados incidentes violentos em outras três cidades no oeste do país. Em Homa Bay, outro homem foi baleado e morreu, informou a agência Reuters.

 

Um grupo de cidadãos apresentou um pedido para que as novas eleições fossem canceladas, ao alegarem que não havia garantias para um processo transparente. A resposta ao recurso, contudo, foi adiada na quarta-feira pelo Tribunal Supremo do Quênia devido à ausência de parte dos magistrados para discutir o caso. O órgão não revelou quando emitirá uma decisão.

Episódios esporádicos da violência deixaram pelo menos 24 mortos desde o anúncio da vitória de Kenyatta nas últimas eleições, dois meses atrás. Em 2007, mais de 1.200 pessoas morreram em decorrência de confrontos por conta dos resultados do pleito em 2007, quando Odinga foi derrotado e o país, com cerca de 47 milhões de habitantes, quase mergulhou em uma guerra civil.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A Personificação Do Demo…

    Curtir