Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Primeiro epicentro da Covid-19, Wuhan confina cidadãos por fortes chuvas

Nível de chuva registrado desde domingo bateu todos os recordes; rodovias e ruas da cidade foram inundadas

Por Julia Braun Atualizado em 6 jul 2020, 14h41 - Publicado em 6 jul 2020, 14h30

A cidade de Wuhan, na China, foi o primeiro epicentro da pandemia de coronavírus em todo o mundo. Após 76 dias de lockdown, o centro comercial iniciou seu processo de relaxamento das medidas de isolamento social em abril, e obteve resultados positivos, declarando-se livre da Covid-19 em meados de junho. O governo local, porém, foi obrigado a pedir que seus habitantes permanecessem em casa após fortes chuvas.

As autoridades elevaram o nível de alerta de segurança para inundações para o nível 3 em sua escala de quatro graus depois que diversas rodovias e ruas da cidade ficaram debaixo d’água. O nível de chuva registrado entre domingo 5 e esta segunda-feira, 6, bateu todos os recordes de Wuhan, com 426 milímetros de precipitação.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Supermercados e lojas foram alagados e os moradores de algumas áreas foram obrigados a andar pela água que batia em suas cinturas para resgatar seus pertences. Meteorologistas alertaram que as fortes chuvas devem continuar até o final desta semana. Para reduzir os riscos, o governo aconselhou que os moradores fiquem em casa.

A China vem sendo castigada por fortes chuvas há semanas. O serviço meteorológico do país emitiu alertas de tempestades por 31 dias consecutivos entre junho e julho. Pelo menos 121 pessoas morreram ou desapareceram e mais de 875.000 chineses foram forçados a se deslocar após as enchentes, de acordo com o Ministério de Gerenciamento de Emergências.

  • No mês de junho foi registrado um índice 13,5% maior de chuva do que a média para essa época do ano. Ocorrências de chuvas torrenciais e tempestades de trovão foram 43% mais altas do que a média dos anos de 2017 a 2019.

    O nível da água subiu para níveis perigosos em pelo menos 50 pontos em todo o país. Especialistas, porém, criticaram o governo e acusaram o Partido Comunista de não dar a devida atenção às enchentes. As autoridades também foram acusadas de mascarar os riscos de rompimentos de barragens.

    Continua após a publicidade
    Publicidade