Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Política externa tem Brasil em 1º lugar, diz Bolsonaro em cúpula dos Brics

Apesar do discurso em favor dos interesses nacionais, presidente fez defesa da relevância do grupo formado também por Rússia, Índia, China e África do Sul

Por Da Redação Atualizado em 14 nov 2019, 13h38 - Publicado em 14 nov 2019, 13h21

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 14, durante sessão plenária da reunião de cúpula dos Brics, que a política externa de seu governo tem olhos postos no mundo, mas sempre com o Brasil em primeiro lugar.

“A política externa de meu governo tem os olhos postos no mundo, mas em primeiro lugar no Brasil, para estar em sintonia com as necessidades da nossa sociedade”, disse Bolsonaro em discurso no encontro realizado em Brasília.

Apesar do discurso que prioriza o Brasil, Bolsonaro fez uma defesa enfática da relevância dos Brics –grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Segundo o líder brasileiro, o bloco tornou “evidente a importância das economias emergentes para a vitalidade da economia mundial”.

“Hoje a relevância econômica dos Brics é ainda mais inquestionável e seguirá crescendo nas próximas décadas”, disse.

O presidente afirmou também que, no comércio internacional, os Brics estão adotando uma postura realista e pragmática. Ele destacou que está avançando no acordo aduaneiro mútuo.

Continua após a publicidade

Bolsonaro disse ainda que não poderia deixar de registrar os ganhos na geração de emprego e renda decorrentes da atuação do banco de desenvolvimento dos Brics. Ele afirmou que o Brasil espera que a abertura da sede regional do grupo no país ajude a incrementar a carteira de projetos na nação.

A 11ª reunião de cúpula do Brics começou na tarde de quarta-feira 13 com o encerramento do Fórum Empresarial. Antes, Bolsonaro também se encontrou, no Palácio do Planalto, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e com o presidente chinês, Xi Jinping.

Para a tarde de hoje, o brasileiro tem reuniões bilaterais marcadas com o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, e da Rússia, Vladimir Putin.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)