Clique e assine a partir de 9,90/mês

Policiais belgas seguem perseguindo dois terroristas foragidos

Uma operação nesta terça em um bairro de Bruxelas terminou com dois policiais feridos, um terrorista morto e dois presos. Dois homens fugiram portando fuzis automáticos

Por Da Redação - 16 mar 2016, 11h15

As autoridades da Bélgica prosseguem as buscas nesta quarta-feira de dois suspeitos que fugiram na operação antiterrorista realizada ontem em Bruxelas, informou a procuradoria federal do país. O porta-voz da procuradoria Thierry Werts também confirmou que duas pessoas foram detidas como parte da operação, que terminou com um suspeito morto e quatro policiais feridos.

“O envolvimento eventual destas duas pessoas detidas ainda está sendo analisado, por isso que não suas identidades não serão reveladas, e ao longo do dia será decidido se elas permanecerão detidas”, explicou Werts. O homem que morreu durante a operação antiterrorista no distrito de Forest foi identificado como um argelino que se encontrava de maneira irregular na Bélgica.

Leia também

Suspeito morre após operação policial ligada a ataques de Paris na Bélgica

Continua após a publicidade

Ação antiterrorista em Bruxelas termina em tiroteio

Bélgica sabia desde 2014 que irmãos Abdeslam atacariam

De acordo com a procuradoria, trata-se de Belkaid Mohammed, nascido em 9 de julho de 1980, que foi abatido enquanto disparava com um fuzil por uma janela contra as forças de segurança que participavam da operação, que posteriormente encontraram junto a seu corpo a arma e um livro sobre salafismo – corrente radical do Islã. As autoridades belgas também acharam uma bandeira do Estado Islâmico (EI) no apartamento, assim como munição para o fuzi.

Após o tiroteio, duas pessoas que também estavam no imóvel fugiram e agora são procuradas pelas forças de segurança por todo o país. Ambos estavam carregando fuzis automáticos. O bairro de Forest é próximo a Moleenbeek, local de origem dos extremistas islâmicos que realizaram os atentados de 13 de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos e dezenas de feridos.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade