Clique e assine com até 92% de desconto

Polícia de Hong Kong detém dois deputados pró-autonomia

Autoridades responsabilizam legisladores por cenas de violência em Yuen Long em julho de 2019; registros do episódio, porém, não comprovam narrativa

Por Da Redação Atualizado em 26 ago 2020, 17h00 - Publicado em 26 ago 2020, 16h56

Dois deputados da oposição pró-autonomia de Hong Kong foram detidos nesta quarta-feira, 26, em uma operação policial focada na onda de protestos anti-Pequim do ano passado. Eles foram responsabilizados pelos episódios de conflitos no subúrbio de Yuen Long no final de julho de 2019. A narrativa das autoridades, porém, destoa das cenas relatadas na época, de uma gangue de homens de branco perseguindo manifestantes pró-autonomia.

Lam Cheuk-ting e Ted Hui, ambos membros do Partido Democrata, foram detidos pela manhã em suas residências, informou a legenda em sua página oficial no Facebook. Segundo uma fonte policial ouvida pela agência de notícias AFP, pelo menos outras 14 pessoas também foram detidas sob a acusação de terem participado de atos de violência em Yuen Long, que se decorreram na madrugada de 21 a 22 de julho de 2019.

O superintendente responsável pelo caso, Chan Tin-chu, disse nesta quarta-feira que o episódio de Yuen Long foi resultado de um conflito “parelho” entre dois grupos adversários. Chan ainda desmentiu que houve qualquer “ataque indiscriminado” naquela madrugada, alegando que os registros em vídeo do incidente eram descontextualizados.

ASSINE VEJA

Aborto: por que o Brasil está tão atrasado nesse debate Leia nesta edição: as discussões sobre o aborto no Brasil, os áudios inéditos da mulher de Queiroz e as novas revelações de Cabral
Clique e Assine

De acordo com a imprensa internacional e relatos de diversas testemunhas presentes em Yuen Long, uma gangue de homens de branco, mascarados e armados com porretes e barras de metal, atacou de maneira organizada diversas pessoas na estação de metrô local, entre elas jornalistas e ativistas pró-autonomia que retornavam de uma manifestação. Pelo menos 45 pessoas foram feridas.

Como revelado depois por veículos locais, dentre eles o South China Morning Post, membros de duas organizações criminosas, a 14K e a Wo Shing Wo, estavam entre os mais de 100 agressores. Uma reportagem em vídeo do jornal americano The New York Times mostra Lam tentando acalmar um conflito entre manifestantes pró-Pequim e pró-autonomia até ser perseguido e agredido pela gangue de branco.

A polícia de Hong Kong afirmou nesta quarta-feira que a presença do deputado na estação agravou o incidente daquela madrugada.

  • Lam também foi acusado de “conspirar para causar danos à propriedade e obstruir a justiça fora da delegacia de Tuen Mun”, disseram as autoridades em referência a um protesto em 6 de julho de 2019.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade