Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia de Bruxelas encontra bomba e bandeira do EI em operação antiterror

Atentados terroristas reivindicados pelo grupo jihadista deixaram pelo menos 31 mortos nesta terça na Bélgica; explosões atingiram aeroporto e metrô

A polícia belga encontrou um artefato explosivo e uma bandeira do grupo Estado Islâmico (EI) em operações de busca e apreensão realizadas em Bruxelas, informou a Procuradoria federal nesta terça-feira, ao comentar a investigação em curso após os atentados cometidos no aeroporto e no metrô da capital da Bélgica que deixaram pelo menos 31 mortos e 200 feridos.

“As operações policiais, realizadas em Schaerbeek, levaram à descoberta de um artefato explosivo com pregos, entre outros materiais. Os investigadores descobriram ainda produtos químicos e uma bandeira do Estado Islâmico”, afirmou a procuradoria em um comunicado.

As autoridades buscam um possível responsável pelos atentados desta terça no aeroporto de Bruxelas e pediram a colaboração da população para seu reconhecimento – uma imagem capturada pelas câmeras de vigilância do aeroporto foi divulgada pela polícia. De acordo com o procurador, “duas pessoas provavelmente cometeram um atentado suicida” no aeroporto.

“Vários operações de busca e apreensão estão em curso em diferentes lugares do país”, informou, acrescentando que os investigadores estão interrogando “várias testemunhas”.

Uma hora depois dos atentados no aeroporto internacional de Zaventem outro foi cometido em uma composição do metrô na estação Maelbeek.

Estado Islâmico – O Estado Islâmico assumiu a autoria dos atentados em Bruxelas, segundo a agência Amaq, um dos canais de comunicação da organização terrorista. Em comunicado divulgado em inglês, a agência afirmou que combatentes do grupo “detonaram uma série de bombas, coletes e outros explosivos no Aeroporto Internacional de Zaventem e em uma estação de metrô do na estação de metrô Maelbeek, no centro de Bruxelas, capital da Bélgica, um país que participa da coalizão internacional contra o Estado Islâmico”.

(Com AFP)