Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Plano de Theresa May para ‘Brexit’ recebe críticas

Primeira-ministra espera que início das negociações formais sobre a saída de um país comunitário da UE comece no dia 7 de março

Por Da Redação Atualizado em 6 fev 2017, 16h55 - Publicado em 5 fev 2017, 18h04

Os esforços de parlamentares a favor da União Europeia para balancear o plano de  retirar o Reino Unido do grupo econômico e político composto por 28 partidos ganharam força neste domingo (5), quando um membro do próprio partido da primeira-ministra, Theresa May, criticou sua estratégia antes de votações parlamentares que irão testar a pequena maioria do governo.

Um debate de três dias sobre uma lei que dá à May o direito de iniciar oficialmente a saída do Reino Unido da União Europeia começa na segunda-feira (6) e será seguido por uma série de votações sobre a inclusão de condições extra às negociações iniciais de seu plano em 31 de março.

Parlamentares votaram amplamente em favor do princípio da nova lei na semana passada, sinalizando que é improvável que May seja impedida completamente de dar início ao Brexit. Mas a premiê precisará do apoio de todo o seu partido para aprovar a estratégia sem mudanças.

O domingo trouxe os primeiros sinais de deserção interna no Partido Conservador que, caso se espalhem, podem provocar emendas na lei, prejudicando a autoridade de May e potencialmente dando aos negociadores da UE uma alavanca poderosa nas conversas sobre a saída britânica do bloco.

Continua após a publicidade

“Nós podemos nos deparar com a perspectiva de deixar a UE ‘caindo de um penhasco’ – como alguns descreveram a saída sem acordo – com consequências potencialmente desastrosas”, disse o parlamentar Neil Carmichael neste domingo.

May disse que o Parlamento terá a oportunidade de escolher entre aceitar o acordo ao qual ela chegar com a UE ou rejeitá-lo e deixar o bloco sem qualquer acordo sobre questões como comércio e imigração. Mas os membros do Parlamento querem ter mais influência.

“O Parlamento deve ter a palavra final quando chegarmos ao fim do jogo”, escreveu Carmichael no jornal Daily Mail no domingo, argumentando que os membros do parlamento deveriam ser capazes de levar May de volta à mesa de negociações.

Com Reuters

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.