Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisadores buscam DNA do rei Luis XVI em abóbora

Usado como caixa, vegetal guardava lenço com traços de sangue humano

Por Da Redação 13 out 2011, 10h52

Uma equipe de pesquisadores espanhóis e italianos tenta identificar se os restos de sangue achados em um lenço guardado durante séculos dentro de um pedaço de abóbora pertencem ao rei francês Luis XVI. A história começou com a coleção de arte e antiguidades de uma família aristocrata de Bolonha, que era a dona da abóbora que servia como caixa e tinha sido cortada por motivos e personagens da Revolução Francesa, explica o jornal Le Figaro.

Durante gerações persistia a história na família de que a caixa guardava um lenço com o qual se limpou o sangue de Luis XVI após ser guilhotinado em 21 de janeiro de 1793 – hipótese reforçada por uma inscrição na própria caixa que faz alusão ao mesmo lenço e à execução do monarca. Por isso, os proprietários decidiram entrar em contato com os biólogos espanhóis do Instituto de Biologia Evolutiva de Barcelona e os italianos da Universidade de Bolonha, para comprovar se nessa abóbora de 23 centímetros há restos de DNA do rei.

Inicialmente, os cientistas não sabiam sequer se a substância preta no interior da abóbora era sangue, explica o espanhol Carles Laluela-Fox, do instituto que participou também na decodificação do genoma Neandertal. Mas as análises acabaram com as dúvidas e comprovaram que o DNA do lenço era realmente humano. Embora os resultados, que serão publicados em novembro na revista Science International Genetics, ainda não puderam comprovar que se trata de sangue azul, há indícios que permitem sonhar com esse final novelesco.

Genética – Exames similares aos feitos nas pesquisas médico-legais revelaram que o lenço contém o gene HERG 2, associado aos olhos azuis, como os de Luís XVI. No entanto, esse gene poderia ter chegado à mostra por uma simples contaminação em algum momento desde 1793 até hoje. Para desvendar o mistério, seria necessário extrair mostras do coração do filho do monarca, Luis XVII, conservado em uma urna de cristal na basílica de Saint-Denis, próxima a Paris. Esse coração já foi autenticado graças a exames de DNA do cabelo de Maria Antonieta e de suas irmãs. Há quem ache que a pesquisa deveria transcorrer na França, pelo que representou o rei, embora cientistas como o especialista Philippe Chartier, considerem que “a investigação deve prosseguir alheia a paixões”.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)