Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Peregrinação VIP: apenas vacinados poderão ir a Meca, diz Arábia Saudita

Medida foi anunciada nesta terça-feira por governo saudita, após celebração repleta de limitações no ano passado

Por Da Redação Atualizado em 2 mar 2021, 14h39 - Publicado em 2 mar 2021, 14h24

Depois de uma peregrinação repleta de limitações no ano passado, a Arábia Saudita anunciou nesta terça-feira, 2, que apenas muçulmanos vacinados contra a Covid-19 poderão participar da ida aos locais sagrados de Meca e Medina.

O ministro da Saúde saudita, Tawfiq al Rabia, citado pela mídia local nesta terça-feira, disse que os responsáveis pela organização e gestão de instalações religiosas e de saúde das cidades sagradas também terão que receber a vacina antes do início da peregrinação o Haje , que ocorrerá no dia 17 de julho.

“É preciso estar preparado com antecedência para garantir a mão de obra necessária nas instalações sanitárias e nos pontos de acesso aos peregrinos durante a temporada do Haje”, frisou o ministro em circular publicada pela imprensa saudita.

A celebração, um dos cinco pilares do Islã, é realizada anualmente e é obrigatória, pelo menos uma vez na vida, para todos os muçulmanos com capacidade física e financeira.

Além da peregrinação anual, milhões de muçulmanos de todo o mundo costumam visitar a Arábia Saudita ao longo do ano para realizar a “umra”, uma peregrinação menor à Grande Mesquita de Meca e à Mesquita do Profeta Maomé, em Medina, podendo ser realizada em qualquer período do ano.

Continua após a publicidade

Ambos os locais de culto ficaram fechados por sete meses em 2020 devido à pandemia do coronavírus, até que o governo decidiu reabri-los em outubro do ano passado, com limitação de 30% de pessoas. O governo também criou um plano de desaceleração até atingir 100% da capacidade.

O último Haje aconteceu no final de julho de 2020 com um número limitado de cerca de mil fiéis. Como a Arábia Saudita estava fechada para visitantes estrangeiros, participaram apenas cidadãos ou residentes do reino.

Além disso, não podiam beijar nem tocar a Caaba ou a Pedra Negra, um dos mais importantes locais sagrados do Islã, dentro da Grande Mesquita, uma das medidas elaboradas pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país. Barreiras de segurança também foram colocadas ao redor da Caaba, que é uma construção em formato de cubo, em que está cravada a Pedra Negra.

A relíquia é uma pedra escura que, segundo uma lenda arábica, ficou assim por causa dos pecados das pessoas, pois no princípio seria alva e branca. De acordo com a tradição muçulmana, a pedra remontaria ao tempo de Adão e Eva.

Em 2021, o país deverá reabrir todas as fronteiras em 31 de março, após suspender os voos internacionais em 20 de dezembro. A Arábia Saudita acumula 377.700 casos e 6.500 mortes causadas pelo novo coronavírus. O governo iniciou a vacinação de sua população no dia de 17 de dezembro e mais de 780 mil já tomaram pelo menos a primeira dose, segundo dados do Our World in Data.

Continua após a publicidade
Publicidade