Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pelosi tenta aprovar medida para bloquear emergência nacional de Trump

A democrata afirmou que o presidente feriu a autoridade da Câmara, que da a palavra final sobre os orçamentos federais

Por Da Redação 21 fev 2019, 15h00

A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, afirmou na quarta-feira 20 que pretende aprovar “rapidamente” uma medida para bloquear o decreto de emergência nacional do presidente americano, Donald Trump, uma manobra do governo para financiar o muro na fronteira com o México.

Não está claro quando o plenário da Câmara votará a medida, mas a líder democrata acredita que isso pode ocorrer até meados de março. Em uma carta, Pelosi pediu que os 235 membros de seu partido na Câmara endossem a resolução apresentada pelo deputado texano Joaquín Castro para anular o estado de emergência declarado na semana passada, afirmando que a decisão de Trump enfraquece a divisão constitucional de poderes e as decisões do Congresso a respeito do orçamento.

Os congressistas têm até a tarde desta quinta-feira, 21, para apoiar a petição e apresentá-la formalmente na sexta-feira, 22. “A decisão do presidente de sair dos limites da lei para tentar obter o que não conseguiu no processo constitucional legislativo viola a Constituição e deve acabar”, afirmou Pelosi em seu texto, “diante do ataque do presidente temos uma responsabilidade solene de defender a Carta Magna e nosso sistema de freios e contrapesos”, concluiu.

Os democratas detêm maioria confortável na Câmara e podem aprovar a resolução sem o apoio dos republicanos. A medida, então, seria encaminhada ao Senado, cuja liderança é republicana.

No início do mês, o Congresso havia aprovado um acordo bipartidário sobre o orçamento federal deste ano em que cedia 1,37 bilhão de dólares para a construção de um muro de apenas 88 quilômetros na fronteira com o México.

As concessões da Câmara pretendiam afastar o risco de uma nova paralisia do Estado americano, que permaneceu em “shutdown” por 35 dias, deixando funcionários públicos sem salário e instituições federais fechadas. Com a emergência nacional, Trump conseguirá mais 6,5 bilhões de dólares para estender o muro por 374,4 quilômetros da divisa entre os dois países. Os recursos devem ser extraídos do orçamento militar. 

Somente nesta semana, dezesseis estados já apresentaram ações para impugnar a decisão do presidente, alegando que ela é inconstitucional. A ação, interposta em uma corte federal da Califórnia, destaca que a ordem do presidente contradiz uma cláusula que estabelece os procedimentos legislativos e outra que designa o Congresso como último árbitro dos recursos públicos, se alinhando às alegações de Pelosi sobre um desrespeito à hierarquia entre os poderes.

(com Estadão Conteúdo e AFP) 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês