Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Paris planeja mudança radical para a Champs-Élysées

Projeto visa reformar totalmente a avenida mais famosa da capital francesa até 2030

Por Duda Monteiro de Barros Atualizado em 11 jan 2021, 20h07 - Publicado em 11 jan 2021, 20h03

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, planeja uma reforma ambiciosa para transformar radicalmente a Champs-Élysées, uma das mais famosas avenidas do mundo. Segundo Hidalgo, serão investidos 250 milhões de euros para transformar um trecho de 2 quilômetros no Centro de Paris num gigantesco boulevard arborizado.

“A lendária avenida perdeu seu esplendor nos últimos 30 anos. Foi progressivamente abandonada pelos parisienses e foi atingida por várias crises sucessivas: coletes-amarelos, greves, saúde e econômica”, disse o comitê em um comunicado saudando o anúncio de Hidalgo.

“Muitas vezes é chamada de a avenida mais bonita do mundo, mas aqueles de nós que trabalham aqui todos os dias não temos certeza disso”, disse Jean-Noël Reinhardt, o presidente do comitê em 2019.

“A Champs-Élysées tem cada vez mais visitantes e empresas de renome lutando para estar lá, mas para os franceses está parecendo desgastada.”

Uma imagem do escritório de arquitetura PCA-Stream mostrando as mudanças planejadas para a área da Champs-Élysées.
Uma imagem do escritório de arquitetura PCA-Stream mostrando as mudanças planejadas para a área da Champs-Élysées. (PCA-Stream/Divulgação)

A comissão fez consulta pública sobre o que deveria ser feito com a avenida. Os planos incluem reduzir o espaço para veículos pela metade, transformar rodovias em áreas verdes e calçadas e criar túneis de árvores para melhorar a qualidade do ar.

Continua após a publicidade

O nome da Champs-Élysées é em francês o paraíso grego mítico, os Campos Elísios. Era originalmente uma mistura de pântano e hortas.

André Le Nôtre, o jardineiro Luís XIV, o Rei Sol, projetou primeiro o amplo calçadão ladeado por uma fileira dupla de olmos em cada lado, chamado de Grand Cours. Foi rebatizado de Champs-Élysées em 1709 e ampliado, e no final do século tornou-se um local popular para caminhadas e piqueniques.

Paris celebrou a libertação de 1944 da ocupação nazista na Champs-Élysées e as vitórias na Copa do Mundo ainda atraem multidões, mas seu famoso charme se desvaneceu e é rejeitado principalmente pelos parisienses.

Hoje, é famosa por seus cafés caros, lojas de luxo, vendedores de carros sofisticados, aluguéis comerciais entre os mais altos do mundo e o desfile militar anual do Dia da Bastilha.

Continua após a publicidade

Antes que a crise da Covid-19 detivesse o turismo internacional, o arquiteto Philippe Chiambaretta, cuja empresa PCA-Stream elaborou os planos de reforma, disse que dos cerca de 100 mil pedestres na avenida todos os dias, 72% eram turistas e 22% trabalham lá.

A rodovia de oito pistas é usada por uma média de 3.000 veículos por hora, a maioria de passagem, e é mais poluída do que o movimentado boulevard périphérique ao redor da capital francesa, acrescentou.

Chiambaretta disse que a Champs-Élysées se tornou um lugar que resumia os problemas enfrentados pelas cidades ao redor do mundo, “um lugar de carros, poluição, turismo, e consumismo”, e precisava ser redesenhada para ser “ecológica, desejável e inclusiva”.

Os planos também incluem redesenhar a famosa Place de la Concorde – o maior lugar de Paris – no extremo sudeste da avenida, descrita pela prefeitura como uma “prioridade municipal”. Espera-se que isso seja concluído antes dos Jogos Olímpicos. O objetivo é transformar a Champs-Élysées até 2030.

Uma imagem que mostra a remodelação planejada da Champs-Élysées.
Uma imagem que mostra a remodelação planejada da Champs-Élysées. (PCA-Stream/Divulgação)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.