Clique e assine com 88% de desconto

Oposição venezuelana apoia diálogo entre estudantes e governo

Para líder opositor, existem “pontos coincidentes” entre pedidos dos estudantes e da oposição

Por Da Redação - 20 abr 2014, 14h57

A aliança opositora venezuelana Mesa da Unidade Democrática (MUD) expressou neste domingo seu apoio para que os estudantes, que protestam desde 12 de fevereiro, tenham seu próprio diálogo com o governo, dentro das reuniões em andamento para buscar uma saída para a crise política na Venezuela. “Eles não querem se somar a uma discussão dos dirigentes políticos. Eles querem ter sua própria discussão”, afirmou o secretário-executivo da MUD, Ramón Guillermo Aveledo, em entrevista ao canal privado Globovisión. “O movimento estudantil em conflito deve ser escutado diretamente e nós apoiamos que assim seja”, afirmou.

Os estudantes que protestam contra a gestão do presidente Nicolás Maduro se negaram a participar das conversas de paz entre a oposição e o governo até que se cumpram uma série de condições. Entre seus pedidos estão uma lei de anistia para os estudantes detidos desde o início dos protestos, que o diálogo seja mediado pelo núncio apostólico (representante diplomático da Santa Sé) e um representante da Conferência Episcopal Venezuelana e que seja transmitido em cadeia de rádio e televisão.

Leia também

‘Bigode grosso’ é a nova arma de propaganda de Maduro

Publicidade

Oposição venezuelana exige dados sobre inflação

Governo venezuelano rejeita lei de anistia proposta pela oposição

Aveledo ressaltou que entre as exigências ao governo por parte da oposição e dos universitários existem “pontos coincidentes”, mas que os estudantes têm “sua própria entidade, personalidade e como tal devem ser respeitados”. Maduro convidou em várias ocasiões os estudantes a um diálogo, mas a resposta afirmativa sempre se condicionou a uma série de requisitos. Mesmo assim, Aveledo insistiu que o encontro entre o Executivo e representante dos universitários “deve ser fixado”.

Lideradas por setores estudantis e de oposição, a Venezuela vive uma onda de protestos contra as políticas governamentais desde 12 de fevereiro. Em alguns casos, as manifestações se tornaram violentas e o saldo até o momento é de 41 mortos e 650 feridos. Para tentar buscar uma solução para a crise, governo e oposição começaram em 10 de abril, com a presença de do núncio Vaticano e de três chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), uma série de reuniões.

Publicidade

Vídeo

Papa pede pacificação mundial e defende reconciliação na Venezuela

Na segunda e até agora última delas, realizada na terça-feira, o governo se negou a aceitar uma lei de anistia para os considerados pela oposição como presos políticos, mas concordou em analisar alguns casos, assim como o retorno dos exilados. A condenação da violência, a incorporação da oposição aos planos governamentais em questões de segurança cidadã, a renovação dos poderes do Estado com o mandato vencido e a apuração das denúncias de abusos policiais e torturas foram os pontos nos quais houve um acordo.

(Com agência EFE)

Publicidade