Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

ONU alerta Coreia do Norte: ‘ameaça nuclear não é jogo’

Secretário-geral das Nações Unidas recomenda a Pyongyang uma mudança de rumo. E afirma: crise poderia ter consequência gravíssimas

Por Da Redação - 4 abr 2013, 15h30

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez nesta quinta-feira um novo alerta ao governo da Coreia do Norte. Durante um evento de Madri, Ban afirmou que a ameaça nuclear não é um jogo – e pediu a Pyongyang uma mudança de rumo. “Qualquer erro de cálculo ou julgamento nessa situação pode produzir uma crise na península da Coreia que terá implicações gravíssimas”, alertou.

Leia também:

Coreia do Norte pode lançar míssil em breve, dizem EUA

A guerra de imagens da Coreia do Norte

Publicidade

Ban voltou a dizer que o governo do ditador Kim Jong-un foi longe demais em suas ameaças. “Acho que chegaram muito longe com sua retórica e estou preocupado”, afirmou. “Peço às autoridades que, em primeiro lugar, reduzam as tensões. A paz e a segurança na península coreana têm implicações muito graves em nível regional e também mundial”, acrescentou.

O secretário-geral também lembrou que a crise humanitária na Coreia do Norte se agravou diante da onda de ameaças de Kim e classificou a situação no país como “alarmante”. Por isso, pediu a Pyongyang que reveja sua postura, de modo a permitir que a ajuda externa chegue ao povo do país.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos acreditam que Pyongyang poderia lançar um míssil por volta de 15 de abril, aniversário do nascimento do fundador do estado norte-coreano, Kim Il-sung, uma das datas mais importantes daquele país caracterizado pelo culto extremo aos seus líderes.

Embora a maioria dos analistas sigam defendendo que a Coreia do Norte carece de tecnologia para incorporar ogivas nucleares aos seus mísseis, desta vez o novo desafio do regime de Kim Jong-un foi considerado em Washington mais do que um ataque verbal de uma longa campanha de ameaças. Em um sinal de que os EUA levam a sério as ameaças do regime comunista, o país reforçou sua defesa no Pacífico.

Publicidade

(Com agências EFE e France-Presse)

Publicidade