Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OMS mostra cautela após anúncio de registro de vacina russa

Último registro da organização, de 31 de julho, afirma que imunizante da Rússia ainda está na primeira fase de testes e precisa concluir mais duas

Por Da Redação Atualizado em 11 ago 2020, 12h36 - Publicado em 11 ago 2020, 09h37

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recebeu com cautela a notícia de que a Rússia registrou nesta terça-feira, 11, a primeira vacina do mundo contra a Covid-19, lembrando que ela, como as demais, deve seguir os procedimentos de pré-qualificação e revisão estabelecidos pela agência.

“Acelerar o progresso não deve significar comprometer a segurança”, disse o porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic, em entrevista coletiva, acrescentando que a organização está em contato com as autoridades russas e de outros países para analisar o progresso das diferentes pesquisas de vacinas.

No último documento com atualizações sobre os testes das vacinas em todo o mundo divulgado pela OMS em 31 de julho, a vacina russa, produzida pelo Instituto Gamaleya, de Moscou, é listada como se ainda estivesse na fase 1 de testes. De acordo com as autoridades russas, porém, a pesquisa já se encontra na fase 2, porém os resultados dos testes realizados ainda não foram publicados.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

A fase 1 é uma avaliação preliminar da segurança do imunizante, feita com número reduzido de voluntários, enquanto a 2 avalia a segurança da vacina, imunogenicidade (ou a capacidade da proteção), a dosagem e como deve ser administrada. Já a fase 3 é um ensaio em larga escala, com milhares de indivíduos, para uma avaliação definitiva da sua eficácia e segurança em maiores populações. Além disso, é feita para prever eventos adversos e garantir a durabilidade da proteção.

“Estamos em contato próximo com as autoridades de saúde russas e as discussões estão em andamento no que diz respeito à pré-qualificação a vacina. Mas, novamente, a pré-qualificação de qualquer vacina envolve análise e avaliação rigorosas de todos os dados de segurança e eficácia requeridos”, disse Jasarevic, se referindo aos ensaios clínicos.

O porta-voz enfatizou que a organização está animada “com a velocidade em que as vacinas estão sendo desenvolvidas” e espera que algumas delas “se mostrem seguras e eficientes”.

  • A vacina russa, anunciada hoje pelo presidente Vladimir Putin em reunião com o Gabinete de Ministros, não estava entre as seis que a OMS observou na semana passada serem as mais avançadas. O órgão citou entre as seis candidatas, três vacinas desenvolvidas por laboratórios chineses, dois dos Estados Unidos (das empresas farmacêuticas Pfizer e Moderna) e a britânica desenvolvida pela AstraZeneca em colaboração com a Universidade de Oxford.

    Segundo Putin, a vacina russa é “eficaz”, passou em todos os testes necessários e permite atingir uma “imunidade estável” contra a Covid-19. “Eu sei que ela funciona muito efetivamente, forma uma imunidade forte, e eu repito, ela passou por todas as checagens necessárias”, disse o russo, que espera que o país inicie em breve a produção em massa.

    (Com EFE e Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade