Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

As conversas sigilosas do governo com a Rússia para produzir a vacina

Delegação do Ministério da Saúde ouviu dos russos que 2 doses necessárias custam R$ 108,00 e transferência de tecnologia chega a R$ 271 milhões

Por Evandro Éboli Atualizado em 11 ago 2020, 15h09 - Publicado em 11 ago 2020, 11h53

Na terça-feira da semana passada, uma semana antes do anúncio do registro da vacina russa contra o coronavírus, uma delegação do Ministério da Saúde se reuniu em sigilo, por videoconferência, com representantes do Fundo de Investimento Direto da Rússia (RDIF) para discutir a produção no Brasil do imunizante.

O grupo brasileiro era chefiado pelo secretário de Ciência e Tecnologia, Inovação e Insumos, Hélio Angotti Neto. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, também estava na delegação. O lado russo foi representado pelo CEO do RDIF, Tagir Sitdekov. Representantes da Phosagro/Conselho Empresarial Rússia-Brasil também participaram.

Na mesa, o possível acordo de produção da vacina que envolveria ainda a transferência de tecnologia. Na reunião, os russos indicaram que a vacina já estaria na fase final de testes clínicos com previsão para início da aplicação em partes da população ainda neste mês.

  • O Radar teve acesso a um relatório interno do governo sobre o encontro.  Segundo o documento, o Brasil “indicou estar interessado em continuar o diálogo” com o lado russo.

    O representante da Rússia explicou que a vacina é aplicada em duas doses, o que gera melhor resposta imunológica e permite melhor resposta do que testes com vacinas de uma só dose, segundo o documento.

    A aplicação das duas doses custará 20 dólares (108 reais). Sitdekov contou na reunião que a Rússia precisa de 50 milhões de doses da vacina para desenvolver a resposta imunológica necessária na população, quantidade que demandará em torno de dez meses de produção nos laboratórios.

    Os custos para o Brasil, se iniciada do zero a infraestrutura para produção da fórmula russa, foram estimados em até 50 milhões de dólares pelos russos, algo em torno de 271,5 milhões de reais.

    ASSINE VEJA

    A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
    Clique e Assine

    Segundo o relatório do governo sobre o encontro, o representante do Ministério da Saúde “indicou estar interessado em dar continuidade ao diálogo com os russos sobre a vacina”. O lado brasileiro também pediu o relatório final do desenvolvimento da vacina, logo que finalizado, “com vistas a estudar melhor o caso”. O russo respondeu que o relatório final estaria disponível ao governo brasileiro até esta quarta.

    Continua após a publicidade
    Publicidade