Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Organização Mundial da Saúde declara pandemia de coronavírus

Vírus já contaminou mais de 118.000 pessoas em 114 países; diretor-geral da organização pediu que países 'ativem e ampliem seus mecanismos de resposta'

Por Da Redação Atualizado em 25 mar 2021, 21h42 - Publicado em 11 mar 2020, 13h38

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou nesta quarta-feira, 11, o surto do novo coronavírus (SARS-CoV-2) como uma pandemia. Mais de 118.000 pessoas foram contaminadas em 114 países, de acordo com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanon. O Brasil tem 34 casos confirmados da doença.

“Lembro a todos os países que estamos pedindo a vocês para ativar e ampliar seus mecanismos de resposta a emergências, comunicar-se com seu pessoal sobre os riscos e como eles podem se proteger, encontrar, isolar, testar e tratar todos os casos e rastrear todos os contatos [que os pacientes contaminados tiveram]”, disse Adhanon.

“Alguns países estão sofrendo com a falta de capacidade e recursos [para conter o surto]”, disse Adhanon. Dentre aqueles, como citou o diretor-executivo da OMS para Emergências de Saúde, Michael Ryan, está o Irã, onde há escassez de tanques de oxigênio para uso médico.

O SARS-CoV-2 é o primeiro coronavírus a ser classificado como “pandemia”. Segundo a OMS, “uma pandemia é a disseminação mundial de uma nova doença”, como a gripe suína (H1N1), declarada como pandemia em 2010.

“Pandemia não é uma palavra para se usar de maneira leve. Se for mal utilizada, é uma palavra que pode causar um medo irracional ou uma aceitação injustificada de que o combate [contra a doença] acabou”, explicou Adhanon. A declaração de “pandemia”, segundo o diretor-geral, não altera as atitudes tomadas pela OMS nem as ações aconselhadas pela organização aos Estados.

“Existe uma chance real” de se reduzir o número de casos confirmados, disse Ryan. “Nós devemos agir sob uma abordagem compreensiva”, concluiu.

Em relação à “abordagem compreensiva”, Ryan defendeu a maior eficiência do rastreamento das pessoas que fizeram contato com pacientes confirmados com o novo coronavírus no lugar de estratégias de contenção, como o fechamento de fronteiras.

Não apenas médicos especializados são capazes de rastrear as pessoas que entraram em contato com enfermos, ressaltou Ryan. Se treinados, “voluntários civis e organizações comunitárias podem ser uma opção”.

  • Leia também: Pesquisa mostra que brasileiro subestimou a pandemia e culpa Bolsonaro.
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês