Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O efeito polarizante da perseguição de Harry e Meghan por paparazzi

Enquanto apoiadores expressam receio pela semelhança ao acidente que matou a mãe de Harry, princesa Diana, críticos os acusam de reações exageradas

Por Da Redação
18 Maio 2023, 18h53

A perseguição na terça-feira, 16, do príncipe Harry e da sua esposa, Meghan, por fotógrafos paparazzi polarizou ainda mais as opiniões sobre os ex-membros da realeza britânica. Enquanto apoiadores expressam receio pela semelhança ao acidente que matou a mãe de Harry, princesa Diana, seus críticos os acusam de reações exageradas.

No que o porta-voz do casal chamou de incidente “quase catastrófico”, Harry, Meghan e a mãe da ex-atriz teriam sido assediados por duas horas por fotógrafos “altamente agressivos” no trânsito de Nova York, nos Estados Unidos. Eles teriam sido colocados, então, em uma situação de risco de vida.

Apesar do Departamento de Polícia de Nova York (NYPD) ter confirmado a perseguição, um comunicado da instituição afirma que “não houve relatos de colisões, intimações, feridos ou prisões a respeito”, o que contraria o informe do porta-voz do casal. A versão da polícia nova-iorquina foi complementada pelo taxista Sukhcharn Sing, responsável pelo transporte de Harry e Meghan.

+ Princesa Diana: 25 anos após sua morte, por que a fixação perdura?

“Não chamaria isso de perseguição. Nunca senti que estava em perigo. Não era como uma perseguição de carro em um filme. Eles estavam quietos e pareciam assustados, mas é Nova York. É seguro”, relatou o motorista.

O retorno do casal às manchetes de jornais por todo o globo levantou a desconfiança sobre as motivações por trás das atitudes. Na noite da ocasião, Meghan recebeu o prêmio Women of Vision pela sua luta por ideais feministas e pelos direitos humanos. Os críticos alegam, então, que a perseguição teria como finalidade atrair publicidade ao evento.

“A primeira declaração foi misturada com o tipo de hipérbole que esperamos do duque e da duquesa de Sussex ao alegar a intrusão da mídia em suas vidas”, escreveu a colunista Camilla Tominey no jornal britânico Daily Telegraph.

Continua após a publicidade

+ Harry foi espionado em ‘escala industrial’ por tabloides, diz advogado

As versões dividiram a opinião pública. Em entrevista à agência de notícias Reuters, o advogado aposentado Nick Williams disse que não pode “acreditar em uma perseguição de carro de duas horas em Nova York”, ao passo que o administrador legal Paris Smith relata que se “empatiza” pela situação enfrentada pelo casal.

Há quase 26 anos, a princesa Diana foi vítima de um acidente após assédio de um paparazzi. De acordo com o o ex-oficial de proteção real Simon Morgan, o abuso da mídia “é um jogo até certo ponto que você nunca vai ganhar” e que tem um sério potencial “catastrófico”, independentemente das versões apresentadas sobre o incidente desta terça-feira.  O príncipe Harry relatou, inclusive, que tem sido alvo de uma espionagem em “escala industrial” pelos tabloides.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.