Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mulheres protestam contra veto de minissaias em Israel

A manifestação no Knesset foi uma resposta à proibição da entrada de uma funcionária, por usar um vestido considerado curto demais

Por Da redação Atualizado em 15 dez 2016, 12h21 - Publicado em 15 dez 2016, 12h17

Dezenas de mulheres usaram vestidos e saias para ir ao Knesset, o Parlamento de Israel, na quarta-feira, como forma de protesto contra as regras de vestuário impostas às funcionárias. No último domingo, a assessora de uma deputada da União Sionista foi parada à porta do Knesset durante mais de uma hora, sob o pretexto de seu vestido ser curto demais, o que seria uma ofensa ao Parlamento.

A assessora Shaked Hasson, que usava meia-calça e um vestido acima do joelho, só foi liberada com a intervenção de sua chefe, a deputada Merav Michaeli. “Não menos que cinco guardas pararam e mediram visualmente as pernas de Shaked e decidiram que sua vestimenta não permitia que ela entrasse no Knesset para fazer seu trabalho”, escreveu Michaeli em seu Facebook.

Segundo a imprensa local, o Parlamento de Israel mantém regras de vestuário há algum tempo, que incluem a proibição de shorts, calças rasgadas, camisetas com frases políticas, além de saias e vestidos curtos. Os guardas, porém, costumavam ser pouco rígidos na aplicação das regras.

Hasson afirmou ao site local Ynet que lhe foi dito que as roupas não poderiam estar a mais de cinco centímetros dos joelhos. O porta-voz do Knesset, Yotam Yakir, negou que exista “números ou centímetros especificados no código”. “Nós apenas não permitimos minissaias, roupas rasgadas, coisas assim”, disse Yakir ao jornal The New York Times. “É elementar, não é sobre gênero”.

Em sua postagem no Facebook, a deputada Michaeli descreveu a experiência da assessora como “humilhante” e concordou com a necessidade de “roupas respeitosas”, mas não com a existência de “patrulhas da modéstia”. Durante o protesto da quarta-feira, mulheres que tentaram entrar com roupas acima do joelho disseram ter sido examinadas cuidadosamente pelos guardas, apesar de terem usado as mesmas vestimentas em outras ocasiões, sem problemas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês