Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mulher é condenada à forca por ter se casado com cristão

Anistia Internacional pressiona o governo sudanês para libertar a mulher e anular a sentença condenatória. País segue a rígida lei islâmica

Por Da Redação - 15 Maio 2014, 09h31

Um tribunal sudanês condenou nesta quinta-feira uma mulher à forca por apostasia (abandono da fé) depois que ela deixou o Islã e se casou com um homem cristão. “Nós demos-lhe três dias para se retratar, mas você insiste em não retornar ao islamismo. Por isso, condeno-a a ser enforcada até a morte”, disse o juiz a mulher, segundo a rede BBC.

Embaixadas ocidentais e grupos que defendem os direitos civis pressionam o Sudão a respeitar o direito de Meriam Yehya Ibrahim Ishag de escolher sua religião. O Sudão tem uma população majoritariamente muçulmana e é regido pela lei islâmica. A imprensa local relata que a mulher condenada está grávida de oito meses e por isso a sentença só será realizada após dois anos.

Leia também

Pais identificam 77 das meninas sequestradas por extremistas na Nigéria

Mulheres iranianas protestam sem o véu e mostrando o cabelo no Facebook

Brunei impõe lei islâmica que prevê apedrejamentos

O juiz também condenou a gestante a 100 chibatadas por adultério. Ele justificou que o casamento com um homem cristão não era válido e ela traiu a lei islâmica. No início da audiência, um clérigo islâmico falou com Meriam, que estava literalmente enjaulada no tribunal, por cerca de 30 minutos. O objetivo era forçá-la à renúncia do seu marido cristão e a volta ao islamismo. Ela não aceitou e, segundo relatos, calmamente disse ao juiz: “Eu sou cristã e eu nunca cometi apostasia”.

A Anistia Internacional disse que Meriam foi criada como uma cristã ortodoxa, religião de sua mãe, pois seu pai, um muçulmano, teria sido ausente durante a sua infância. No tribunal, o juiz se dirigiu a ela somente pelo seu nome muçulmano, Al-Hadi Adraf Mohammed Abdullah. Ela foi presa e acusada de adultério em agosto de 2013 por ter se casado com cristão e o tribunal acrescentou a acusação de apostasia, em fevereiro de 2014. A Anistia disse que Meriam tem o direito de casar com quem desejar, assim como seguir a religião que lhe convier, e deveria ser liberada imediatamente.

Continua após a publicidade
Publicidade