Mujica pela primeira vez classifica governo da Venezuela como ditadura

Símbolo da esquerda latino-americana, uruguaio disse que regime Maduro é ditatorial, mas ponderou: 'também são ditaduras Arábia Saudita e China'

Por Da Redação - Atualizado em 29 jul 2019, 08h30 - Publicado em 29 jul 2019, 02h24

Ex-presidente do Uruguai e importante liderança da esquerda latino-americana, José “Pepe” Mujica afirmou, pela primeira vez, que o governo de Nicolás Maduro na Venezuela é uma “ditadura”. A declaração foi concedida em um encontro do MPP (Movimento de Participação Popular), que integra a Frente Ampla, partido que governa o país há três mandatos. A fala de Mujica foi reproduzida pelo jornal argentino Clarín

“É uma ditadura sim [o governo da Venezuela]. E na situação que acontece hoje não há outra coisa que não uma ditadura”, afirmou o ex-mandatário uruguaio, antes de ponderar: “Mas ditadura também há na Arábia Saudita, com um rei absoluto. Ditadura há na Malásia, matam 25 pessoas por dia. E na República Popular da China, o que dizem?”

Daniel Martinez, candidato presidencial do partido de Mujica em eleições que ocorrerão em outubro no Uruguai, seguiu a mesma linha em uma postagem no Twitter, na noite deste domingo 28.

“Para a esquerda, o tema dos direitos humanos deve sempre ser um imperativo ético. O informe de Bachelet é lapidário a respeito da Venezuela e se trata de uma ditadura. Há que seguir trabalhando em uma saída negociado e que o centro sejam os venezuelanos”, escreveu.

Publicidade

Martinez se refere a um relatório divulgado no início do mês pela alta comissária para Direitos Humanos da ONU, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet. O documento atribui a maioria de 5.287 assassinatos na Venezuela a forças do governo de Maduro, que, segundo a análise, são “orientadas a neutralizar, reprimir e criminalizar a oposição política e a quem criticar o governo”.

Nicolás Maduro é presidente da Venezuela desde 2013, quando assumiu como vice de Hugo Chávez, que já somava treze anos no poder quando morreu em decorrência de um câncer na região pélvica. Opositores consideram fraudulentas as eleições presidenciais de 2018, que reelegeram Maduro para um mandato de seis anos.

Publicidade

Em 2019, pouco após a posse, Juan Guaidó, o presidente da Assembleia Nacional do país se autodeclarou presidente e é reconhecido como chefe de Estado por parte da comunidade internacional, incluindo países como o Brasil e os Estados Unidos.

Publicidade