Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Militante foragido do ETA é detido no Rio de Janeiro

Joseba Gotzon Vizan González fazia parte de comando de grupo separatista

Por Da Redação 18 jan 2013, 13h22

A polícia do Brasil deteve nesta sexta-feira no Rio de Janeiro um militante da organização separatista basca ETA, Joseba Gotzon Vizan González, foragido desde 1991, anunciaram o ministério espanhol do Interior e a Polícia Federal (PF). O homem havia fugido depois do desmantelamento, em 1991, do comando Vizcaya, responsável por vários atentados da ETA.

Vizan González estava foragido desde 1991
Vizan González estava foragido desde 1991 VEJA

O tribunal espanhol encarregado de assuntos relacionados a terrorismo havia enviado uma ordem de prisão contra González, acusado de fazer parte de um comando do ETA que colocou uma bomba no veículo do agente do Corpo Nacional da Polícia Manuel Muñoz Domínguez, que ficou gravemente ferido no ataque, em 1988. Também é atribuído a ele a tentativa de assassinato de um agente da polícia e um atentado com granadas contra uma comissária da polícia no País Basco que fracassou, ambos no mesmo ano.

Leia também:

Leia também: Governo espanhol exige ‘dissolução incondicional’ do ETA

Documentos falsos – Joseba Gotzov Vizán González, conhecido como Potxolin e nascido em 1959 na cidade basca de Basauri, fugiu após a desarticulação do “comando Vizcaya” da ETA e estava havia vários anos morando no Brasil com documentação falsa facilitada pela organização terrorista, segundo o Ministério do Interior da Espanha. Segundo a acusação, Vizán González recompôs a partir de 1990 a estrutura de apoio do Comando Vizcaya e se encarregou da captação de novos militantes, até que fugiu de seu domicílio, em janeiro de 1991.

Três integrantes do ETA foram presos até agora este ano, dois na França e um no Brasil. Muito fragilizado, o ETA anunciou no dia 20 de outubro de 2011 que ia terminar com sua luta armada pela independência do País Basco da Espanha depois de mais de 40 anos de ataques que deixaram mais de 800 mortos. Porém, o grupo se nega a se dissolver e a entregar as armas, tal como pedem os governos espanhol e francês. O ETA teve seu último atentado realizado em agosto de 2009.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês