Clique e assine com até 92% de desconto

Milicianos abrem fogo contra protesto na Líbia e matam 31

Grupo atirou contra manifestantes que pediam o desarmamento das milícias

Por Da Redação 16 nov 2013, 03h57

Pelo menos 31 pessoas morreram e mais de duzentas ficaram feridas na Líbia após membros de grupos armados abrirem fogo contra um protesto pacífico nesta sexta-feira. O tiroteio aconteceu quando manifestantes que pediam o desarmamento das milícias no país se aproximaram da sede da Misrata, um dos inúmeros grupos armados que atua na Líbia após a queda de Muamar Kadafi, e foram recebidos por rajadas de tiros.

Leia também: Ex-chefe de espionagem de Kadafi vai ser julgado na Líbia

Segundo diversos relatos de testemunhas, a mobilização popular nas ruas da capital líbia transcorria de forma pacífica até os milicianos atacarem o grupo com metralhadoras e granadas. O protesto contra a atuação das milícias armadas no país reuniu dezenas de milhares em Trípoli. Após o massacre, o primeiro-ministro líbio Ali Zidan fez um pronunciamento pedindo que os grupos armados deixem o país. O político, no entanto, também culpou os canais de televisão por “inflamarem” a tensão no país.

Milícias – Desde a morte de Kadafi, há dois anos e meio atrás, a Líbia tenta controlar a atuação das milícias armadas, que ajudaram a derrubar o ditador líbio, mas se recusam a abdicar do poder conquistado com a força. Numerosos, os grupos armados – muitos deles ligados ao extremismo islâmico – controlam partes do país e frequentemente promovem ações para intimidar e sabotar o frágil governo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade