Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Manifestantes saem às ruas contra crise habitacional em Portugal

Protestos em Lisboa e mais seis cidades criticam o aumento dos aluguéis e dos preços das casas, enquanto a inflação bate 8,2%

Por Da Redação
Atualizado em 3 abr 2023, 16h38 - Publicado em 3 abr 2023, 16h37

Milhares de pessoas foram às ruas neste sábado 1 em Lisboa, capital de Portugal, para protestar em defesa do direito à habitação e contra o aumento dos aluguéis e dos preços de casas. Com a escalada da inflação no país, a 8,2%, moradores alegam dificuldades em manter as mínimas condições de vida.

No mês passado, o governo de Marcelo Rebelo de Sousa, presidente português, anunciou um pacote habitacional que extinguiu o esquema do “Golden Visa” e proibiu novas licenças para propriedades de Airbnb, na tentativa de contornar a crise. Os críticos alegam, no entanto, que a medida é insuficiente.

O protesto, organizado pelo movimento “Casa para Morar”, ocorreu em mais seis cidades portuguesas: Porto, Braga, Coimbra, Aveiro, Viseu e Setúbal. Para Rita Silva, porta-voz do grupo “Habita!”, a crise habitacional é uma “emergência social”. Os adeptos reivindicam também a regulação dos preços de aluguéis, a suspensão dos despejos e o fim da especulação imobiliária.

+ Crise imobiliária: Portugal proíbe visto para ricaços e licenças de Airbnb

Continua após a publicidade

Um levantamento da empresa de dados imobiliários Casafari indicou que o valor dos aluguéis em Lisboa subiu 37% em 2022, superando os de Paris e Barcelona. O preço de locação de apartamentos de um quarto atingiu a marca de 1.350 euros (R$ 7.400 reais).

Nos últimos oito anos, os valores de venda de moradias dispararam 137% em Lisboa, principal cidade turística do país.

A situação se agrava com a descoberta de que cerca de 50% da população recebe menos de 1.000 euros (R$ 5.530) mensais, enquanto o salário mínimo permanece em 760 euros (R$ 4.200). Portugal é um dos países mais pobres da Europa Ocidental e Lisboa é considerada a quinta cidade menos viável do mundo para viver, segundo um estudo da corretora de seguros CIA Landlords.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.