Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Mercosul suspende Venezuela e faz apelo por volta da democracia

Decisão tomada neste sábado foi motivada por eleição manipulada da Assembleia Constituinte e a prisão de líderes da oposição

Por Da Redação - Atualizado em 5 ago 2017, 14h42 - Publicado em 5 ago 2017, 13h07

O Mercosul decidiu suspender por tempo indeterminado a Venezuela do bloco regional — formado também por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai — e fez um apelo para que o país inicie uma transição política imediata.

No último domingo, o governo do presidente Nicolás Maduro promoveu uma votação para eleger uma Assembleia Nacional Constituinte com poderes ilimitados de reescrever a Constituição e dissolver o Congresso de maioria oposicionista, eleito por voto popular. Analistas independentes estimam que o comparecimento da população venezuelana ficou pouco acima de 10%, muito abaixo das votações anteriores, o que seria um sinal de repúdio à decisão do líder do governo. Há fortes suspeitas de manipulação do resultado oficial, de acordo com esses analistas. A oposição é contra a assembleia.Em comunicado, o Mercosul diz que a Venezuela violou a ordem constitucional e que a suspensão seguirá até que os presos políticos sejam libertados, a Assembleia Constituinte dissolvida e a democracia restaurada no país.

No início da semana, o governo americano já havia anunciado sanções à Venezuela por causa da eleição da Assembleia Constituinte. Na sexta, foi a vez de o Vaticano pedir que a Assembleia Constituinte fosse suspensa.

A Venezuela atravessa uma grande crise socioeconômica e política há alguns anos, com prejuízos para a população mais pobre. Milhões de pessoas sofrem com a escassez de alimentos, a hiperinflação e a forte retração da atividade econômica.

Publicidade

(Com Reuters)

Publicidade