Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Megaseca’ nos Estados Unidos é a pior em 1.200 anos

Crise climática é uma dos fatores responsáveis pelo fenômeno que atinge 65% do território americano

Por Duda Gomes
Atualizado em 15 fev 2022, 18h02 - Publicado em 15 fev 2022, 18h00

Nas últimas duas décadas, o oeste dos Estados Unidos passou pela pior e mais extrema seca vista em 1.200 anos. Em estudo publicado na segunda-feira, 14, os cientistas afirmam que as mudanças climáticas causadas pelo homem são um fator importante para gerar as “megasecas”.

E piora. Os pesquisadores apontam que mais décadas de secas ainda estão por vir. As ondas de calor se tornarão maiores, mais extremas e mais frequentes.

Outros estudos mostram como a crise climática “aumentará cada vez mais as chances de megasecas longas, generalizadas e severas”, escrevem os estudiosos.

O oeste americano, que engloba os estados do Arizona, Califórnia, Colorado, Idaho, Montana, Novo México, Nevada, Oregon, Utah, Washington e Wyoming está agora no meio do período de 22 anos mais seco da história.

A pesquisa foi liderado por Park Williams, cientista climático da Universidade da Califórnia, que classificou o período entre 2000 e 2018 como o segundo mais seco em 12 séculos.

Continua após a publicidade

Observando os níveis de umidade nos solos, a equipe de cientistas climáticos da UCLA, Nasa e Universidade de Columbia se concentrou em paisagens de Montana ao norte do México, de norte a sul e do Oceano Pacífico às Montanhas Rochosas.

As chamadas “megasecas” são caracterizadas por períodos longos de secas, que duram mais de duas décadas. A crise climática piorou o cenário, com o aumento da temperatura ao redor do globo, em grande parte causado pelo ser humano, sendo responsável por 42% na gravidade do problema.

Também de acordo com a pesquisa, os déficits de umidade do solo dobraram nos últimos 22 anos em comparação com os níveis dos anos 1900, e o estudo mostra que as mudanças climáticas estão cada vez mais aceleradas.

Continua após a publicidade

Quase 65% do oeste americano estão enfrentando uma seca severa, de acordo com o monitor de seca dos Estados Unidos. Pela primeira vez, autoridades federais restringiram as alocações da Bacia do Rio Colorado, que fornece água e energia para mais de 40 milhões de pessoas.

Só em janeiro deste ano, incêndios na Califórnia – que teve um dos janeiros mais secos já registrados – foram responsáveis por evacuações e fechamentos de estradas. No Colorado, mais de mil construções foram destruídas pelos incêndios florestais.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.