Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Medvedev pede apuração transparente de acidente aéreo

Avião que levava time de hóquei caiu na quarta-feira, matando 43 pessoas

Por Da Redação 8 set 2011, 09h15

O presidente da Rússia, Dimitri Medvedev, afirmou nesta quinta-feira que a investigação do acidente do avião de passageiros Yak-42 que na quarta-feira caiu logo após decolar matando 43 dos 45 ocupantes deve ser encaminhada com transparência. “É uma grave tragédia, um acidente de grande impacto. Tudo deve ser feito de maneira pública e transparente”, defendeu, em reunião com o gabinete de crise criado após a tragédia que vitimou 37 membros da equipe de hóquei no gelo do Lokomotiv Yaroslavl, além de oito tripulantes.

Nesta quinta-feira, Medvedev foi pessoalmente à localidade de Tunoshna, junto ao aeroporto de mesmo nome, 250 quilômetros ao nordeste de Moscou, a partir do qual decolou a aeronave russa, que caiu ainda por causas não esclarecidas. “O acidente foi um forte golpe a todo o país. A bordo (do avião) estava a equipe titular de um clube querido em Yaroslavl e em todo o país, que era um dos clubes mais bem-sucedidos de nosso país”, declarou Medvedev. Para o presidente, esta não foi uma perda somente para os familiares, “mas para o Estado, para toda a torcida”. O hóquei no gelo e o futebol são os esportes mais populares na Rússia.

Local do acidente

[googlemaps http://maps.google.com/maps/ms?msa=0&msid=209053362645598055467.0004ac5a9e6afa5a30128&ie=UTF8&vpsrc=6&ll=56.776808,41.396484&spn=6.431164,17.578125&z=5&output=embed&w=100%&h=480%5D

A cidade de Yaroslav fica localizada 200 quilômetros ao nordeste da capital Moscou, na Rússia.

A aeronave de fabricação soviética Yak-42 caiu pouco depois de decolar do aeroporto de Tuloshna, por volta das 9 horas desta quarta-feira (horário de Brasília).

Continua após a publicidade
  • Moscou, capital russa

Luto – O governador de Yaroslavl, Sergei Vajrukov, decretou nesta quinta-feira três dias de luto a partir de sexta-feira no estado, um dos 83 que formaram a Federação da Rússia. Na reunião com o gabinete de crise, o presidente russo indicou que “a situação na aviação civil russa deve mudar radicalmente”.

Ele anunciou ainda que exigirá ao governo uma redução drástica do número de companhias aéreas que operam no país e ressaltou a necessidade de renovar o parque aéreo da Rússia, tarefa em que destacou a prioridade da segurança sobre os interesses da indústria aeronáutica nacional. “Há problemas com o parque (aéreo) e o governo terá de adotar uma decisão difícil. O valor da vida deve estar acima de outras considerações, incluídas as relativas ao respaldo aos produtores nacionais”, enfatizou o chefe do Estado.

Também nesta quinta, o Ministério de Emergência da Rússia informou que as equipes de resgate recuperaram os corpos de 43 vítimas do acidente. Os trabalhos não foram interrompidos durante a noite e as equipes de mergulhadores fizeram buscas incessantes no rio Volga, onde caiu parte da fuselagem da aeronave.

Sobreviventes – Enquanto isso, os médicos lutam para salvar a vida dos dois únicos sobreviventes da tragédia, o jogador de hóquei no gelo Alexander Galimov, e um dos tripulantes do Yak-42, Alexander Sizov. Os feridos foram transferidos nesta quinta-feira para clínicas na capital russa, segundo informou o escritório de imprensa do Ministério da Saúde da Rússia.

A aeronave acidentada, da companhia Yak-Service e em atividade desde 1993, tinha como destino o aeroporto de Minsk, a capital da Bielo-Rússia, e segundo fontes da aviação civil russa citada pela agência “Interfax” sua certidão de voo expirava em outubro.

A Procuradoria Geral da Rússia ordenou a abertura de investigação tanto para a companhia aérea que explorava o avião acidentado quanto aos serviços aeroportuários, a fim de estabelecer as responsabilidades. Por sua vez, o Comitê de Instrução da Rússia indicou nesta quinta-feira que as investigações estão centradas em duas hipóteses: uma falha mecânica no avião ou um erro de pilotagem.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade