Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maratonista etíope faz gesto político e corre risco em seu país

Lilesa disse que o gesto o coloca em perigo e que ele não pode ir para casa. "Eu realmente acho que eu seria morto"

Quem viu neste domingo o maratonista etíope Feyisa Lilesa cruzar seus braços acima da cabeça após terminar em segundo na linha de chegada não entendeu muito bem o que o gesto significava. Uma comemoração? Na verdade, o gesto foi um ato político deliberado e corajoso.

Segundo declarou após a maratona, seu sinal foi um gesto de solidariedade para o povo oromo, seu grupo nativo e um dos maiores grupos étnicos na Etiópia. Ele repetiu o sinal na conferência de imprensa depois da prova. Lilesa disse que o gesto o coloca em perigo e que ele não pode ir para casa. “Eu realmente acho que eu seria morto”, disse, “ou preso” — complementou.

Alguns de seus familiares já estão na prisão e ele se preocupa com a segurança de sua mulher e dois filhos. O maratonista afirmou ainda que pretende ficar no Brasil ou ir para o Quênia ou Estados Unidos, dependendo de onde ele conseguir um visto de residência.

Leia também
Agora é a vez de Tóquio (e lá também tem problemas)
Mídia estrangeira exalta música, mas critica discursos e gastos
Rio-2016 acaba em samba e alívio: deu certo

Os oromos somam, no mínimo, um terço dos 100 milhões de pessoas da Etiópia. Mas eles foram marginalizados durante décadas, com as tensões aumentando recentemente. Protestos enormes dos oromos são cada vez mais frequentes nas ruas de Etiópia e o governo os têm reprendido com violência.

Entidades civis internacionais, como a Anistia Internacional e Human Rights Watch informam que neste ano, mais de 400 pessoas da etnia oromo foram mortas e dezenas de milhares presas. Após a repercussão do protesto, um porta-voz do governo etíope informou que Lilesa “será bem recebido” no país.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Lucia Cerqueira

    SE ELE SABIA QUE PODERIA SER PRESO NO PAÍS DELE PORQUE FEZ O GESTO AQUI? OPORTUNISTA FEZ PRA CONSEGUIR ASILO…E A FAMILIA DELE PRESA ….OPORTUNISTA

    Curtir

  2. Cada um é livre de expressar o que deseja, porém, isso infringe a lei do COI pela manifestações políticas. Se o Lilesa fez aquele gesto, é de sua total responsabilidade e assuma o que vier e der. Muitos brasileiros sugerem que o Brasil de asilo político para esse atleta para ele não sofrer retaliação, porém o problem não é do Brasil, já temos muitos problemas de violencia aqui e aqueles que querem oferecer asilo, que banquem com seus próprios bolsos, oferecendo moradia, salario, etc. Falar em nome do povo do Brasil é um ato contra a democracia, porém , nada contra o ato próprio de ajudar o próximo.

    Curtir