Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Manifestantes derrubam estátua gigante de Lênin no leste da Ucrânia; assista

Ação tem respaldo das autoridades. Estátua ficava em praça de Carcóvia, segunda maior cidade do país, próxima à fronteira com a Rússia

Por Da Redação 29 set 2014, 15h28

Nacionalistas ucranianos derrubaram no domingo uma estátua monumental do bolchevique Vladimir Lênin que dominava a vista de uma praça de Carcóvia, a segunda maior cidade da Ucrânia. A ação contou com o respaldo de autoridades locais. Pelo menos 3.000 pessoas participaram da ação. Foi preciso usar maçaricos para fragilizar a base da estátua. Na sequência, dezenas de pessoas puxaram o símbolo, que acabou desabando. Carcóvia, no leste do país, fica próxima da fronteira com a Rússia e não muito longe dos redutos sob contole dos separatistas pró-Rússia. Vários manifestantes entoaram cantos declarando que a cidade “pertence à Ucrânia”.

Leia também

Kiev e Moscou se reúnem para definir zona desmilitarizada na Ucrânia

Otan vê retirada significativa de tropas russas da Ucrânia

Kiev denuncia novas violações do cessar-fogo

Continua após a publicidade

Kiev recomenda prontidão do Exército para batalha, apesar da trégua

Desde o início da crise política na Ucrânia, no final do ano passado, uma série de estátuas de Lênin foi derrubada por manifestantes que associam os monumentos com a época em que o país estava sob jugo da União Soviética e consequentemente da Rússia. Em sua conta no Facebook, o ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, escreveu que a polícia local recebeu instruções para apenas garantir a segurança dos manifestantes que queriam derrubar a estátua, dando sinal verde para a derrubada. “Lênin? Deixem que ele caia. Desde que as pessoas não fiquem machucadas e que esse ídolo comunista sanguinário não faça mais vítimas quando cair”.

https://youtube.com/watch?v=lXLCR0cmDuU

Violência – O leste da Ucrânia voltou a registrar episódios de violência em mais um o confronto entre rebeldes pró-Rússia e tropas do governo. Segundo as autoridades, os combates deixaram pelo menos doze mortos e 32 feridos. O coronel Andriy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança e Defesa Nacional ucraniano, disse aos jornalistas durante coletiva de imprensa nesta segunda-feira em Kiev, que pelo menos nove soldados foram mortos em um dia e 27 ficaram feridos. A violência continua na região apesar do cessar-fogo declarado em 5 de setembro.

A Câmara Municipal de Donetsk, cidade comandada pelos rebeldes, disse em comunicado publicado na internet que ao menos três civis foram mortos e cinco ficaram feridos durante um ataque noturno a uma área residencial na parte norte da cidade, onde os combates têm se concentrado no aeroporto, controlado pelo governo. Desde que os confrontos começaram, em abril, o conflito já deixou pelo menos 3.500 mortos.

Continua após a publicidade
Publicidade