Clique e assine a partir de 8,90/mês

Manifestantes ameaçam tomar QG de crise do governo

Opositores já haviam tomado a sede oficial do Executivo e agora rumam para a sede alternativa, em um edifício do Ministério da Defesa, em Bangcoc

Por Da Redação - 19 fev 2014, 09h45

Os manifestantes que exigem a renúncia da primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra seguiram nesta quarta-feira para o quartel-general da crise, aumentando a pressão sobre o governo um dia depois dos confrontos que deixaram ao menos cinco mortos e dezenas de feridos. A explosão da violência na terça-feira acabou com a esperança de trégua na crise política que, desde o fim do ano passado, já provocou ao menos dezesseis mortes e centenas de feridos.

Muitos manifestantes seguiram até a zona norte Bangcoc e se posicionaram diante de uma área do ministério da Defesa, que Yingluck utilizou nas últimas semanas como sede alternativa do governo, já que a sede oficial está bloqueada pelos opositores. “É difícil aceitar o fato de que Yingluck tenha ordenado à polícia que nos matasse e que agora se esconde no escritório do secretário permanente de Defesa. Vamos tomar o escritório e a encontraremos”, afirmou o líder do movimento, Suthep Thaugsuban.

Leia também

Protestos na Tailândia têm novo confronto e quatro mortes

Tribunal da Tailândia mantém resultado das eleições

‘Crise do arroz’ complica situação de premiê tailandesa

Todas as reuniões ministeriais previstas para esta quarta-feira neste complexo foram canceladas, segundo uma fonte do governo. Na terça-feira, uma operação da polícia para tentar recuperar alguns edifícios bloqueados pelos manifestantes há várias semanas, incluindo a sede do governo, provocou vários confrontos violentos. Explosões e tiros sacudiram um bairro do centro histórico de Bangcoc, perto das principais atrações turísticas da capital.

Continua após a publicidade

Indiciamento – Nesta terça, em um dos dias mais conturbados na longa crise política da Tailândia, o órgão anticorrupção do país anunciou que vai indiciar a primeira-ministra Yingluck em um caso relacionado a um plano de subsídios aos produtores de arroz. O programa de compra de arroz foi um importante trunfo na campanha eleitoral que a levou ao governo, em 2011, mas desde então enfrenta denúncias de corrupção e crescentes prejuízos.

Leia mais

Manifestantes rumam para o centro de Bangcoc e tentam derrubar premiê

Líder opositor tailandês prevê ditadura após eleições

O ministro do Comércio disse que a China cancelou uma encomenda de 1,2 milhão de toneladas de arroz tailandês por causa de uma investigação de corrupção no programa do governo de Bangcoc, e o banco estatal tailandês Krung Thai Bank (KTB) se somou a outros credores que decidiram cortar os financiamentos necessários para salvar a operação. O programa de aquisição de arroz foi uma das políticas populistas adotadas pelo ex-premiê Thaksin Shinawatra, irmão de Yingluck, que foi deposto em 2006. Pelo projeto de subsídio, o governo compra a produção tailandesa a preços mais altos que os de mercado e revende o arroz no exterior, geralmente com preços mais baixos, arcando com o prejuízo.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade