Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mãe de vítima de ataques de Paris quer processar Bélgica

A francesa acredita que as autoridades belgas deveriam ter tomado ações mais drásticas contra os terroristas antes dos atentados de 13 de novembro

Por Da Redação 19 jan 2016, 14h02

A mãe de um advogado francês morto na casa de shows Bataclan em novembro, durante os atentados terroristas que atingiram Paris, acusou a Bélgica de negligência e anunciou que pretende levar o caso para a Justiça.

Nadine Ribet-Reinhart acredita que as autoridades belgas deveriam ter tomado ações mais drásticas contra os terroristas que planejaram e executaram os ataques de 13 de novembro. Muitos dos envolvidos no atentado eram jihadistas nascidos ou que viviam na Bélgica. “Isso se chama inação. E como consequência dessa inação, famílias foram dizimadas e crianças nunca vão nascer”, disse.

Leia mais:

Hotéis franceses perderam mais de R$ 1 bi após ataques em Paris

Continua após a publicidade

Marrocos prende cidadão belga ligado a ataques de Paris

Polícia belga encontra colete, explosivos e digital de Abdeslam

O filho de Nadine, o advogado anticorrupção Valentin Ribet, de 26 anos, foi uma das 130 pessoas assassinadas na série de ataques coordenados por extremistas islâmicos. Sua namorada, Eva, também foi atingida por um tiro, mas sobreviveu. Ainda não está claro o tipo de ação que poderia ser aberto pela família de Valentin contra o governo belga. Acredita-se que grande parte do processo de planejamento dos atentados aconteceu na Bélgica. Três residências utilizadas pelos jihadistas no país foram identificadas pela polícia na semana passada. Segundo as autoridades belgas, os terroristas viajaram para Paris somente horas antes dos ataques.

“Eles poderiam e deveriam ter parado os 10 terroristas que andavam totalmente impunes pelo território francês naquela noite; pessoas que andavam à vontade de metrô, em seus carros e usando seus celulares”, afirmou Nadine à emissora francesa BFM-TV. Muitos dos terroristas tinham ascendência belgo-marroquina e viviam em Bruxelas ou regiões próximas. O mentor dos ataques, Abdelhamid Abaaoud, cresceu na capital belga e segundo as autoridades francesas também estava ligado a quatro atentados terroristas frustrados anteriormente, incluindo um ataque contra um trem que fazia o trajeto entre Amsterdã e Paris, em agosto do ano passado.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês