Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro tenta mandar recado para Obama em inglês: ‘not a trit’

Presidente venezuelano faz partidários repetirem frase em inglês pedindo ao governo americano que recue na declaração de que país é uma ameaça

Nesta sexta-feira, o governo americano afirmou que os problemas na Venezuela não serão resolvidos com um diálogo com os Estados Unidos. Se depender de uma ‘aula’ de inglês que o presidente Nicolás Maduro deu a partidários nesta semana, qualquer diálogo será inviável.

No ato público, Maduro leu um cartaz reivindicando que os EUA voltem atrás na decisão de declarar a Venezuela uma ameaça ao país. O problema foi a pronúncia das palavras em inglês que formam a frase: #Venezuela is not a threat. We are hope (confira no vídeo abaixo). A expressão foi repetida à exaustão, contando em alguns momentos com a ajuda de colaboradores como seu vice, Jorge Arreaza.

Leia também:

Com país em crise, filho de Maduro dança sob chuva de dólares

Venezuela aprova concessão de superpoderes para Maduro

Reportagem de VEJA é citada nos congressos dos EUA e da Argentina

A tentativa infrutífera de falar em inglês é mais uma característica de Hugo Chávez copiada por seu sucessor. O coronel advertia que seu inglês era “ruim”, mas fazia questão de pronunciar algumas palavras, especialmente referindo-se ao ex-presidente George W. Bush, apelidado pelo venezuelano de ‘Mr. Danger’.

Leia mais:

O mistério da índia brasileira fotografada por VEJA que foi parar no discurso de Maduro

A risível apresentação de Maduro reflete uma situação real. A Venezuela, que tem nos Estados Unidos seu maior cliente para a venda de petróleo, mantém um forte discurso antiamericano, incluindo várias menções – sem provas – a tentativas de golpe orquestradas por opositores com a ajuda do inimigo externo.

Ao declarar o país uma ameaça à segurança nacional, os EUA também impuseram sanções a sete pessoas ligadas ao governo Maduro e expressaram preocupação com a perseguição a opositores políticos. Internamente, como os dissidentes já sabem, o diálogo com Maduro é zero.

Caio Blinder: Obama deu uma endurecida com o nosso homem em Caracas

(Da redação)