Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Líder da oposição sul-sudanesa retorna à capital para assumir vice-presidência

Posse faz parte do acordo de paz assinado entre o governo e os rebeldes em agosto passado

O líder da oposição sul-sudanesa, Riek Machar, chegou nesta terça-feira à capital Juba para assumir o cargo de vice-presidente, em cumprimento com o acordo de paz assinado entre o governo e os rebeldes em agosto passado. Após uma semana de atraso por desavenças com autoridades, Machar se dirigiu ao palácio presidencial para tomar posse como primeiro vice-presidente do país.

A volta do líder rebelde a Juba havia sido adiada em várias ocasiões, devido às diferenças entre o governo e a oposição sobre as armas e os soldados que o acompanhariam. Na segunda-feira, o chefe do Estado-Maior da oposição sul-sudanesa, o general Simon Gatwech, chegou à capital para preparar a chegada de Machar, e o passo seguinte será a formação de um governo de união nacional, segundo o acordo de paz estabelecido entre o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, e os rebeldes, que deve pôr fim a 20 meses de guerra civil no país.

Leia mais:

Presidente do Sudão do Sul assina acordo de paz

Neste mês terminaram as operações para trazer à capital as forças rebeldes. Calculado em 1.370 combatentes, o grupo armado rebelde vai se unir à Guarda Republicana e à polícia sul-sudanesas para formar a força conjunta que manterá a segurança em Juba.

O Sudão do Sul, que se tornou independente em 2011, mergulhou no caos em dezembro de 2013, quando uma desavença política entre Kiir e Machar – seu vice na época – se transformou em um conflito armado que reabriu feridas étnicas. O presidente é da etnia Dinka, enquanto Machar é da etnia Nuer. Milhares de pessoas foram mortas, grande parte da população de 11 milhões de pessoas foi levada à beira da inanição e 2 milhões de pessoas deixaram suas casas, muitas rumo a países vizinhos, o que desestabilizou uma região já instável.

Leia também:

Africana denuncia canibalismo, tortura e estupro no Sudão do Sul

Exército do Sudão do Sul matou 50 pessoas por asfixia em contêiner

(Com EFE)