Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Líbano: Não há brasileiros ‘gravemente feridos’ em explosão, diz Itamaraty

Embaixada do Brasil em Beirute teve apenas 'danos mínimos', disse o encarregado de negócios a VEJA

Por Caio Mattos Atualizado em 4 ago 2020, 19h46 - Publicado em 4 ago 2020, 19h20

Cerca de quatro horas após uma forte explosão atingir um armazém no porto de Beirute, no Líbano, nesta terça-feira, 4, o Itamaraty  afirmou que nenhum brasileiro morreu ou ficou gravemente ferido durante o episódio.

“Não há, até o momento, notícia de cidadãos brasileiros mortos ou gravemente feridos“, afirmou o Itamaraty em comunicado divulgado por volta das 17h.

“O governo brasileiro solidariza-se com o povo e o governo do Líbano pelas vítimas fatais e pelos feridos atingidos pelas graves explosões que tiveram lugar hoje no porto de Beirute”, acrescentou.

ASSINE VEJA

Os 10 fazendeiros que mais desmatam a Amazônia Leia em VEJA: Levantamento exclusivo revela os campeões da destruição. Mais: as mudanças do cotidiano na vida pós-pandemia
Clique e Assine

A explosão ocorreu por volta das 18h10 no Líbano (12h10 em Brasília). Segundo a última estimativa do Ministério da Saúde do Líbano, pelo menos 73 pessoas morreram e mais de 3.700 ficaram feridas no incidente.

A embaixada do Brasil em Beirute teve apenas “danos mínimos”, disse a VEJA o encarregado de negócios da embaixada, Roberto Salone. Ele acredita que isso se deu ao fato de a embaixada, localizada a menos de 3 quilômetros da explosão, estar apenas no primeiro andar, e por isso não ter absorvido tanto o impacto quanto andares superiores.

Salone afirmou que ainda não é possível especificar quais foram os prejuízos ao local. Os danos serão averiguados na quarta-feira 5.

Entre os funcionários da embaixada e seus familiares, segundo Salone, apenas a esposa de um adido militar ficou ferida. A situação dela já “parece estar estável”, disse o encarregado de negócios.

As residências dos diplomatas brasileiros em Beirute concentradas no bairro de Achrafieh, que fica a menos de 4 quilômetros do porto — foram mais atingidas pela explosão. Salona descreveu janelas destruídas e portas arremessadas em sua residência, que ficou “bastante destruída”.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade