Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Kim Jong-un consegue manter Coreia do Norte em destaque

Interesse por informações sobre a atual crise na península aumenta, assim como a quantidade de notícias sobre o tema na imprensa internacional

Por Da Redação - 4 abr 2013, 23h50

A estratégia chantagista de Kim júnior é a mesma do pai: amedrontar o mundo ocidental com a ameaça de uma destruição nuclear em troca de alimentos. Mas o atual ditador conseguiu ser mais eficiente em colocar o país na imprensa mundial e manter sua guerra de palavras como um dos assuntos de maior destaque nas últimas semanas.

Caio Blinder: A loucura da Coreia do Norte

A diferença é que Kim Jong-un colocou em prática uma fórmula eficiente: liberar as ameaças a conta-gotas, uma a cada dia da semana. Uma das mais recentes foi o anúncio da “aprovação final” para um ataque nuclear contra os Estados Unidos. Mais do mesmo, só que com linguagem adaptada de forma que viabilizasse a divulgação da declaração como uma nova notícia.

A revista americana Foreign Policy afirma que a criatividade de Kim para fazer ameaças surpreendeu até mesmo o mais experiente dos observadores da península. “Parece que os norte-coreanos estão na iminência de ficar sem ameaças”, disse à publicação Scott Snyder, no início de março. Um mês depois, a expectativa do especialista em Coreia do “Council on Foreign Relations” mostra-se anulada por números como o aumento de 49% no número de matérias sobre a crise nos principais jornais do mundo, aponta a FP.

Publicidade

Leia também:

ONU alerta Coreia do Norte: ‘ameaça nuclear não é jogo’

Norte fecha acesso a indústria. E Seul fala em ação militar

Se a Coreia do Norte vai conseguir intimidar os inimigos ainda não é possível saber. No último mês, a Casa Branca tanto rejeitou as ameaças de Pyongyang como afirmou que elas representavam um risco “real”. De qualquer forma, o mundo está acompanhando as notícias com interesse.

Publicidade