Israel mata líder militar palestino; Hamas diz que haverá retaliação

Baha Abu al Ata, da Jihad Islâmica, era considerado pelo Exército israelense como o responsável pela maioria dos ataques a partir da Faixa de Gaza

Por Da Redação - 12 nov 2019, 03h28

O Exército de Israel matou Baha Abu al Ata, líder militar do grupo palestino Jihad Islâmica na Faixa de Gaza, em um ataque na madrugada desta terça-feira, segundo o grupo jihadista. O comunicado da Jihad Islâmica revela que além de Ata, o ataque matou a mulher do líder militar.

A Jihad Islâmica é o segundo maior grupo militante palestino na Faixa de Gaza, atrás apenas do Hamas, com quem mantém uma aliança estratégica.

Em um comunicado, o Hamas prometeu se vingar de Israel pelo ataque. Diante deste quadro, o Exército hebreu “mobilizou tropas e está se preparando para vários cenários,ofensivos e defensivos”.

O Exército hebreu havia confirmado um ataque contra o “prédio na Faixa de Gaza no qual o líder da Jihad Islâmica Baha Abu al Ata se encontrava”.

Publicidade

Ata era “responsável pela maioria dos ataques terroristas a partir da Faixa de Gaza”, disse o Exército no mesmo comunicado.

Vizinhos relataram uma forte explosão e o ministério da Saúde de Gaza informou a morte de duas pessoas na ação. A residência está localizada no distrito de Shejayia, a leste da cidade de Gaza.

Israel responsabilizava Ata, 42 anos, pela recente onda de foguetes lançados da Faixa de Gaza contra o território israelense, disparos de franco-atiradores e até operações com drones.

Logo após o ataque, foram registrados novos disparos de foguetes contra o território hebreu, o que fez ativar as sirenes de ataque aéreo em diversas partes do sul de Israel.

Publicidade

Na região de Gaza foi possível ouvir uma forte explosão, e pouco tempo depois os serviços de alto-falantes das mesquitas anunciaram a morte de Ata e de sua mulher.

A morte de Ata abre caminho para uma grave escalada entre Israel e os grupos palestinos na Faixa de Gaza, território governado pelo movimento islâmico Hamas.

(Com AFP)

Publicidade