Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Israel amplia busca por rapazes desaparecidos na Cisjordânia

Netanyahu disse que espera ajuda de Abbas para encontrar adolescentes

Por Da Redação 16 jun 2014, 16h17

As Forças Armadas de Israel fizeram buscas por cidades palestinas e prenderam integrantes do Hamas nesta segunda-feira, expandindo a procura por três adolescentes israelenses desaparecidos desde quinta-feira. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que espera ajuda para encontrar os jovens e capturar os sequestradores.

Os três adolescentes, identificados como Eyal Yifrach, de 19 anos, Naftali Frenkel e Gilad Shaer, ambos de 16, foram sequestrados, segundo a imprensa israelense, enquanto pegavam carona perto de Gush Etzion, um bloco de colônias situado entre Belém e Hebron, em uma zona sob controle civil e militar israelense.

Leia também:

Reuven Rivlin, do partido Likud, será o novo presidente de Israel

Papa reza pela paz com líderes israelense e palestino

Irã utilizou site de notícias para espionar EUA e Israel

Continua após a publicidade

Israel acusa do Hamas pelo sequestro e culpa Abbas pela reconciliação com o grupo fundamentalista em abril, que resultou na formação de um novo governo palestino. “As consequências da parceria com o Hamas devem ser entendidas. Isso é ruim para Israel, para os palestinos e para a região”, diz um comunicado sobre a conversa entre o premiê israelense e Abbas.

O general Benny Gantz, chefe das Forças Armadas de Israel, disse que os militares preparam-se para ampliar a operação. “Temos uma meta, e essa meta é encontrar esses três garotos e trazê-los para casa, e atingir o Hamas o mais duro possível – e é isso que vamos fazer”, disse Gantz durante encontro com oficiais do Exército. “Estamos no caminho de uma campanha significativa.”

O gabinete do chefe da Autoridade Palestina condenou tanto o sequestro como a resposta militar israelense. E lembrou que não tem competência nas zonas da Cisjordânia ocupadas por colônias israelenses. O porta-voz de Abbas, Nabil Abu Rudeineh, disse que o presidente palestino ligou para Netanyahu para “deixar claro que não aceita esse tipo de ação”, em uma referência ao sequestro.

Desde quinta-feira, as autoridades israelenses já detiveram 150 palestinos. Entre os detidos está o presidente do Parlamento palestino, Aziz Dweik, e outros cinco deputados do Hamas. Nesta segunda, um jovem palestino foi baleado em um confronto com soldados israelenses no campo de refugiados de Jalazun, perto de Ramallah, segundo fontes médicas e de segurança palestinas.

Saiba mais:

Saiba mais: Israel x Palestina: dos dois lados do muro

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade