Clique e assine com até 92% de desconto

Irã emite mandado de prisão contra Donald Trump

Governo persa pediu ajuda à Interpol para capturar presidente e outras 30 autoridades dos EUA pela morte do general Qassem Soleimani em janeiro

Por Da Redação Atualizado em 29 jun 2020, 09h33 - Publicado em 29 jun 2020, 09h24

A Justiça do Irã emitiu mandados de prisão contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e mais 30 pessoas de sua administração pelo bombardeio que matou o general Qassem Soleimani, em janeiro deste ano. O governo persa pediu ajuda à Interpol na captura do presidente e dos demais cidadãos americanos.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

Ali Alqasimehr, promotor de Teerã, afirmou que Trump e mais outros 30, os quais o Irã acredita estarem envolvidos no atentado de 3 de janeiro que matou o general em Bagdá, são acusados de “assassinato e terrorismo”, segundo a agência de noticias estatal iraniana IRNA.

Segundo a emissora Al Jazeera, o promotor iraniano enviou à Interpol uma “notificação vermelha”, de nível mais alto para a instituição, exigindo a busca e apreensão dos indivíduos nomeados. A agência ainda não se pronunciou sobre o pedido de prisão.

  • Soleimani foi morto em um bombardeio americano no Aeroporto Internacional de Bagdá, capital do Iraque. Ele comandava a Força Quds, unidade especial do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica.

    Em reposta ao ataque contra Soleimani, o Irã bombardeou bases americanas no Iraque, criando uma enorme tensão diplomática. Durante o lançamento dos mísseis, o país persa derrubou por engano um avião da Ukraine International Airlines com 176 pessoas a bordo. Todas morreram.

    A morte do militar mais poderoso do Irã e possível sucessor de Hassan Rohani como presidente também provocou revolta entre os iranianos e uma série de protestos contra os Estados Unidos. As manifestações abrandaram depois da confirmação de que um míssil iraniano havia derrubado o avião da companhia aérea ucraniana.

    Continua após a publicidade
    Publicidade