Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Investigação conclui que indianas encontradas enforcadas em maio cometeram suicídio

Polícia federal do país descartou tese de que elas teriam sido estupradas e assassinadas

Por Da Redação 27 nov 2014, 10h23

(Atualizado às 13h44)

Investigadores indianos concluíram que duas adolescentes encontradas enforcadas em maio cometeram suicídio e descartaram que elas foram estupradas por vários homens e depois assassinadas, como inicialmente se suspeitou.

A conclusão foi divulgada nesta quinta-feira pelo Departamento Central de Investigação (CBI, na sigla em inglês), espécie de polícia federal da Índia, após meses de investigação. O caso envolvendo as adolescentes de 14 e 15 anos, que foram encontradas no dia 28 de maio penduradas em uma árvore na cidade de Katra, motivou protestos de moradores locais e causou bastante repercussão na imprensa internacional. Três suspeitos chegaram a ser presos.

Inicialmente, um grupo de médicos locais que examinou os corpos das adolescentes havia divulgado que as jovens apresentavam sinais de estupro. Em agosto, o CBI examinou novamente as amostras e outros materiais e acabou concluindo que não houve nenhum tipo de abuso sexual.

Leia também:

Menina de 11 anos é estuprada e morta na Índia

​Índia: homem é preso acusado de estuprar menina de 6 anos

Ensaio fotográfico que encena estupro causa indignação na Índia

Continua após a publicidade

“Baseado em 40 relatórios científicos, o CBI concluiu que as duas adolescentes não foram estupradas e assassinadas como se acreditou no primeiro boletim de ocorrência”, disse Kanchan Prasad, um porta-voz do órgão.

O CBI sugeriu outra teoria para as mortes e disse que os suicídios parecem ter sido motivados por causa da pressão das famílias das jovens para que elas cortassem a amizade que mantinham com um rapaz do vilarejo.

Em maio, a família havia reclamado da atuação da polícia local quando eles reportaram o desaparecimento das jovens. Os parentes haviam dito que os policiais demoraram horas para começar a investigar o paradeiro das meninas. Dois policiais chegaram a ser presos por suspeita de tentar acobertar o caso por supostamente não terem respondido aos apelos iniciais.

À época, os parentes também acusaram um grupo de homens do vilarejo de ter cometido o crime. Uma testemunha chegou a afirmar que viu as duas adolescentes sendo levadas à força. Mas, de acordo com a rede BBC, o CBI colocou em dúvida o testemunho, já que o homem não passou num teste de polígrafo. Os investigadores suspeitaram que ele foi pago pelas famílias para contar essa versão.

Saiba mais:

Por que acontecem tantos estupros na Índia?

Os suspeitos e os policiais foram soltos em setembro.

A notícia sobre a reviravolta no caso causou ceticismo entre ativistas pelos direitos das mulheres na Índia. Segundo a All India Democratic Women’s Association, ainda “há muitas questões sem resposta” no caso. Já a diretora da Comissão para Mulheres de Déli pediu para que o CBI revise mais uma vez todo o material da investigação.

Já as famílias ficaram revoltadas com a conlusão. “O CBI tentou fraudar o caso e inocentar os acusados desde o início. Estou revoltado com a decisão.”, disse Sohan Lal, pai de uma das jovens, à rede BBC.

Continua após a publicidade
Publicidade