Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Índios bolivianos farão nova passeata contra estrada financiada pelo Brasil

La Paz, 12 mar (EFE).- Organizações indígenas da Amazônia, do leste e do sul da Bolívia confirmaram nesta segunda-feira que farão uma nova passeata para se manifestar contra a construção de uma estrada financiada pelo Brasil e impulsionada pelo presidente Evo Morales no parque Tipnis, mas ainda não definiram a data do protesto.

O presidente da Confederação de Povos Indígenas do Oriente da Bolívia (Cidob), Adolfo Chávez, disse à Agência Efe que as instituições reunidas na cidade amazônica de Trinidad concordaram em definir a data antes do fim deste mês.

Segundo ele, a reunião realizada desde domingo não teve a presença de uma organização de índios guaranis, mas todos os demais povos ‘estão com o espírito firme para fazer respeitar os direitos individuais e coletivos’.

Os dirigentes da Cidob farão as consultas no Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), no centro do país, para analisar opções a fim de concretizar a nova mobilização.

Morales aprovou em fevereiro uma lei para consultar os indígenas do Tipnis sobre a construção da estrada, depois que grupos de camponeses, indígenas e produtores de coca realizaram uma contramanifestação rumo a La Paz para apoiar a obra viária.

Entre agosto e outubro do ano passado, os nativos do Tipnis e a Cidob fizeram uma primeira passeata para rejeitar plenamente a estrada, mas o movimento foi brutalmente reprimido pela polícia e bloqueado por seguidores de Morales antes de ser recebido triunfantemente em La Paz.

Os indígenas do Tipnis esclarecem que não se opõem ao projeto viário, mas criticam o projeto da estrada de cortar pela metade essa reserva ecológica, por temor a uma invasão ainda maior de produtores de folha de coca, matéria-prima para elaborar cocaína.

A nova passeata de defesa do parque nacional terá o respaldo de guaranis do Brasil, Argentina e Paraguai, conforme antecipou há poucos dias o presidente do Conselho Continental da Nação Guarani, o boliviano Celso Padilla. EFE