Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Impasse na Crimeia leva Canadá a expulsar militares russos

Decisão dá 24 horas para que nove soldados deixem o país. Eles participam de programas de cooperação, suspensos em decorrência da crise na Ucrânia

Por Da Redação 7 mar 2014, 03h08

O governo do Canadá deu 24 horas para que nove militares russos, que participam de programas de treinamento no país, deixem o território canadense. Na segunda-feira passada, o governo canadense suspendeu a cooperação militar bilateral com a Rússia por causa da intervenção do país na Ucrânia, em medida semelhante à tomada pelos Estados Unidos para pressionar o Kremlin a retirar tropas da província autônoma ucraniana da Crimeia.

Leia também:

Homens armados barram observadores internacionais na Crimeia

Representante da ONU é ameaçado por milícia na Crimeia

Continua após a publicidade

EUA anunciam sanções contra responsáveis por instabilidade

Seis dos militares estão na Escola de Comando e Recrutamento das Forças Canadenses na cidade de Saint-Jean-sur-Richelieu, nos arredores de Montreal, onde aprendem francês e inglês. Outros dois soldados se encontram na base de Gagetown, na província de Nova Brunswick, em um programa de treinamento, e o nono ensina russo para militares canadenses na capital Ottawa.

A decisão de expulsar os militares russos ocorre depois que o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, determinou na segunda “que todas as atividades bilaterais planejadas entre as forças canadenses e as russas sejam suspensas”. Na quarta-feira, Harper determinou também a retirada de seu país da Comissão Econômica Intergovernamental Canadá-Rússia, estabelecida para promover as relações econômicas entre os dois países e o envio de dois observadores militares à missão que a Organização para a Cooperação e Segurança da Europa (OSCE) enviará para a Crimeia.

Além disso, o Canadá aumentou nesta quinta-feira sua pressão sobre a Rússia ao afirmar que não reconhecerá o referendo anunciado pelas autoridades da Crimeia, pois considera a região como “ocupada”, depois da intervenção militar russa na península ucraniana.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade