Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Hospitais de Gaza suspendem operação em meio a bombardeios israelenses

Pelo menos duas instituições fecharam as portas para novos pacientes enquanto ataques aéreos seguem assolando a região

Por Redação
12 nov 2023, 19h38

Dois dos maiores hospitais do norte de Gaza suspenderam as operações e fecharam as portas para novos paciente nesse domingo, 12, em meio aos ataques aéreos israelenses e aos intensos combates no entorno dos centros médicos. Segundo a agência Reuters, funcionários alertaram que hospitais da região estão bloqueados pelas forças israelenses e mal conseguem cuidar dos pacientes já admitidos.

Um dos principais complexos hospitalares de Gaza, o Al Shifa foi alvo de um intenso bombardeio neste sábado, fazendo com que o Hamas suspendesse as negociações para a libertação de reféns. Depois de três dias sem eletricidade, água e internet, o local “não funciona mais como um hospital”, informou a OMS. O al-Quds, outra referência na região, também suspendeu as operações. 

“Os constantes tiros e bombardeios na área exacerbaram as circunstâncias já críticas. Tragicamente, o número de mortes de pacientes aumentou significativamente. O mundo não pode ficar em silêncio enquanto os hospitais, que deveriam ser refúgios seguros, se transformam em cenários de morte, devastação e desespero”, escreveu o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no X, antigo Twitter.

Até o momento, três agências da ONU expressaram horror com a situação dos hospitais de Gaza. Segundo o órgão, nos 36 dias de combate, a agência registrou pelo menos 137 ataques a instalações de saúde, resultando em 521 mortes e 686 feridos – incluindo 16 médicos mortos e 38 feridos.

Continua após a publicidade

Israel acusa o Hamas de manter centros de comando nos hospitais, mas o grupo nega as alegações. Depois da repercussão internacional, os militares israelenses negaram que haja um “cerco” e afirmaram que o lado leste do hospital está aberto “para a passagem segura de moradores de Gaza” e recomendou que médicos, pacientes e outras pessoas que se refugiaram em hospitais da região evacuem o local.

Equipes médicas que atuam na área, no entanto, afirmam que diversos pacientes podem morrer se forem transferidos, e autoridades palestinas alegam que os bombardeios constantes tornam a evacuação perigosa. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.