Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Homem confundido com palestino agressor é linchado e morto em Israel

Mila Binsamo, de 26 anos, estava no local onde aconteceu um ataque contra um policial. Ele levou um tiro e posteriormente foi linchado. O verdadeiro agressor também foi morto

Um eritreu, confundido com um agressor em um ataque em Israel, morreu nesta segunda-feira em consequência dos ferimentos sofridos depois de ser atingido por um tiro dos agentes de segurança israelenses e das agressões de uma multidão quando estava no chão, informou a polícia. As autoridades identificaram a vítima como Mila Binsamo, de 26 anos. Ele estava neste domingo na estação rodoviária de Beersheba, cidade do sul de Israel, quando um árabe-israelense armado com uma faca e uma arma de fogo matou um soldado israelense de 19 anos e feriu outras dez pessoas. O agressor foi morto.

Um vídeo divulgado na internet mostra o momento em que um agente de segurança israelense abriu fogo contra um homem, provavelmente o eritreu. Outro vídeo mostra a multidão ao redor dos feridos e vários homens agredindo o eritreu caído no chão. O autor do atentado foi identificado pela polícia como um árabe-israelense de 21 anos, Muhanad Khaleel Uqbi, morador dos arredores de Beersheba.

Leia também

Palestino é morto após esfaquear soldado israelense em Hebron

Palestinos incendeiam templo judaico na Cisjordânia

Israel instala bloqueios em Jerusalém Oriental para tentar conter ataques

Israel tem três novos ataques com faca, com um morto e três feridos

Os árabes-israelenses (17,5% da população) são os descendentes dos palestinos que permaneceram em Israel após a criação deste Estado em 1948. São cidadãos israelenses que expressam, em sua maioria, solidariedade aos palestinos. A Cisjordânia ocupada e vários pontos de Israel registram há duas semanas uma escalada de violência que provoca o temor de uma nova intifada.

Diplomacia – Israel convocou o embaixador da França em Tel Aviv para dar explicações sobre a proposta francesa feita ao Conselho de Segurança da ONU que defende o desdobramento de forças internacionais na Esplanada das Mesquitas – área em Jerusalém que é sagrada tanto para os judeus como para os muçulmanos. “Pensamos que a iniciativa francesa não serve para estabilizar a situação e não a consideramos útil, por isso queremos falar com o embaixador francês”, explicou o porta-voz da chancelaria israelense, Emanuel Nahshon.

O embaixador da França em Israel, Patrick Maisonnave, foi convocado nesta manhã para uma reunião na sede do Ministério das Relações Exteriores em Jerusalém com o diretor-geral adjunto para Assuntos Europeus, Aviv Shiron. A França sugeriu ao Conselho de Segurança o envio de observadores internacionais aos lugares santos de Jerusalém, particularmente na Esplanada, para garantir a neutralidade da área. Israel ocupou a área, que estava sob controle da Jordânia, assim como o resto de Jerusalém Oriental, na Guerra dos Seis Dias em 1967. Desde então, mantém o controle da segurança do local, enquanto o patrimônio islâmico é custodiado pela Jordânia em virtude de um acordo que determina que somente os muçulmanos estão autorizados a orar ali.

(Da redação)